Dólar volta a subir e retoma o maior valor em mais de 12 anos

Moeda norte-americana fechou a R$ 3.371 (Foto: Ilustração)
Moeda norte-americana fechou a R$ 3.371 (Foto: Ilustração)

O dólar comercial voltou a subir nesta quinta-feira (30) e fechou em alta de 1,25%, a R$ 3,371 na venda. Com isso, a moeda norte-americana voltou a atingir o maior valor em mais de 12 anos, desde 27 de março de 2003, quando fechou a R$ 3,386.

Na véspera, o dólar havia caído 1,18%, a R$ 3,329, após cinco altas seguidas.

De olho nos EUA e na China

A alta da moeda acompanhou movimento de valorização no mundo todo.

Nesta quinta, os Estados Unidos informaram que seu PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 2,3% no segundo trimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado.

O resultado positivo aumenta a expectativa de que o banco central norte-americano (Federal Reserve) comece a subir as taxas de juros no país em sua próxima reunião, em setembro.

A alta dos juros nos EUA preocupa os investidores porque pode fazer com que os recursos que hoje estão em países emergentes, como o Brasil, sejam transferidos para lá.

O dia também foi de preocupação com a desaceleração da economia chinesa. A Bolsa de Xangai voltou a cair, perdendo 2,2%, após subir 3,5% na véspera.

Alta dos juros no Brasil

Na quarta, após o fechamento dos mercados, o Copom (Comitê de Política Monetária), do Banco Central, divulgou um aumento de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros, de 13,75% para 14,25%. É o sétimo aumento seguido da Selic.

O Copom sinalizou, porém, que não deve fazer novos aumentos na taxa. Segundo comunicado do comitê, a taxa de 14,25% será mantida por “período suficientemente prolongado”.

Atuação do BC no câmbio

Investidores aguardavam também novas pistas sobre como o Banco Central deve agir no mercado de câmbio. A valorização do dólar tende a aumentar a inflação, que já está alta.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total no leilão de rolagem de swaps cambiais (equivalentes à venda futura de dólares). Com isso, já rolou o equivalente a US$ 6,270 bilhões, ou cerca de 59% do lote que vence no início de agosto, que corresponde a US$ 10,675 bilhões.

Nos últimos meses, o BC tem feito rolagens parciais e caminha para repor cerca de 60% do lote de agosto. Operadores têm afirmado que, se mantiver essa proporção para o lote de setembro, o BC sinalizaria que está confortável com o avanço da moeda norte-americana.

Os leilões de rolagem servem para adiar os vencimentos de contratos que foram vendidos no passado.

Com Informações Reuters

Comentários

comentários