Dólar fecha em alta nesta quarta e passa o patamar dos R$ 3,20

O dólar fechou em alta nesta quarta-feira (22), ultrapassando o patamar de R$ 3,20 alcançado na segunda-feira.

O mercado aguarda o possível anúncio do governo de possíveis novos cortes no orçamento e a redução da meta de superávit para 2015, refletindo também o fortalecimento da moeda norte-americana nos mercados externos diante de expectativas de juros mais altos nos Estados Unidos ainda neste ano.

Moeda norte-americana fecha em alta a quarta-feira (Foto: Divulgação)
Moeda norte-americana fecha em alta a quarta-feira (Foto: Divulgação)

O dólar avançou 1,65% frente ao real, a R$ 3,2257 na venda. Veja cotação. Na semana e no mês, a moeda acumula alta de 1% e 3,76%, respectivamente. No ano, a valorização é de 21,33%.

“Uma redução muito significativa na meta pode alertar as agências (de classificação de risco) de que a situação no Brasil vai demorar muito mais para melhorar”, disse à Reuters o operador Glauber Romano, da corretora Intercam.

A colunista de política Cristiana Lôbo antecipou que a queda acentuada na arrecadação federal levou o governo a fazer uma forte redução na meta de superávit para este ano e, ainda, um novo contingenciamento no orçamento.

Os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento) darão entrevista à imprensa no fim da tarde, segundo a assessoria do Ministério da Fazenda.

Além de uma esperada redução do rating soberano do Brasil pela Moody’s para o último patamar dentro do grau de investimento, o mercado teme que a agência atribua perspectiva negativa para a nota.

Também nesta quarta, o parlamento da Grécia debate o projeto de lei para obter o segundo pacote de reformas estipulado pelos parceiros da zona do euro, uma etapa prévia ao início das negociações para um terceiro resgate.

Nesta manhã, o Banco Central deu continuidade ao seu programa de interferência no câmbio, com a oferta de até 6 mil contratos de swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares.

Nos mercados externos, o dólar também se fortalecia em relação a moedas como os pesos chileno e mexicano, dando continuidade à escalada das últimas semanas em meio a expectativas de que os juros nos EUA devem subir ainda neste ano.

O aperto monetário na maior economia do mundo pode atrair para lá recursos aplicados em outros países, como o Brasil.

“A tendência de longo prazo do dólar é de alta e o mercado está cada vez mais colocando isso no preço”, disse à Reuters o operador de uma corretora nacional, que preferiu não se identificar.

Comentários

comentários