Direção do Corinthians desiste de renovar contrato de Emerson Sheik

O Corinthians já se decidiu pela saída de Emerson Sheik. Após cinco temporadas, ele deixará o clube nos próximos dias em razão do fim de seu contrato em 31 de julho.

Campeão mundial, Sheik ainda marcou dois gols na final da Libertadores 2012
Campeão mundial, Sheik ainda marcou dois gols na final da Libertadores 2012

A tendência é que o atacante seja liberado antes de completar sete partidas pela Série A.

A saída de Sheik é a primeira forma encontrada pela direção corintiana para reduzir a folha salarial que hoje é de cerca de R$ 9 milhões.

Ele tem vencimentos de aproximadamente R$ 520 mil – logo, a saída representa um corte de cerca de 6%. A meta do clube a curto prazo é reduzir as despesas com jogadores em 15%.

Mas também não se trata apenas de necessidade financeira. Para o Corinthians, o ciclo de Emerson chegou ao fim e o contrato não seria renovado mesmo que ele topasse uma drástica redução salarial, segundo quem trabalha com o presidente Roberto de Andrade.

A direção corintiana não tem informações sobre clubes interessados, embora Grêmio e Vasco já tenham sido especulados.

No sábado passado, perguntado sobre essa possibilidade, Sheik preferiu não responder e declarou apenas que gostaria de ficar e acreditava em permanência. O atacante e seu empresário se agarram a um contato feito pela diretoria do Corinthians no início da temporada.

Naquele momento, com o time em alta na Copa Libertadores, foi avisado a Reinaldo Pitta que o clube tinha interesse na extensão e conversas ocorreriam quando as dívidas com o elenco fossem quitadas. De lá para cá, tudo mudou.

O Corinthians foi eliminado da Libertadores de maneira prematura, a diretoria não conseguiu empréstimo para quitar as dívidas e Emerson Sheik entrou em desgraça após ser expulso por uma rasteira sobre o zagueiro são-paulino Toloi.

Vale recordar que o atacante não estava em campo justamente nas eliminações do Campeonato Paulista, para o Palmeiras, e da Libertadores, diante do Guaraní-PAR.

Uma improvável reviravolta só poderia ocorrer com a intervenção de Tite, que já não parece mais tão disposto em contar com Sheik.

Ele ficou na reserva nas duas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro e recebeu bronca forte do treinador depois de ser expulso contra o São Paulo.

UOL

Comentários

comentários