Dirceu manda recado cifrado a ‘companheiros’ e apavora Lula

O mensaleiro e chefe do petrolão deixou “escapar” ontem a informação de que é mais fácil ele morrer ou ser morto do que fazer delação. Na verdade a mensagem é cifrada.

O ex-ministro José Dirceu foto - Agência Brasil
O ex-ministro José Dirceu
foto – Agência Brasil

O ex-ministro José Dirceu se sente abandonado e não pretende amargar 20 anos de cadeia para defender os companheiros. Para ele só resta a delação. Assim que contar o que sabe, Dirceu terminará de enterrar a biografia de Lula.

Dirceu, preso anteontem, na 17ª fase da Operação Lava Jato, embarcou no início da tarde de ontem para Curitiba. Ele estava detido na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Brasília e foi transferido para a capital paranaense, onde estão concentradas as investigações da Lava Jato.

Mais cedo, sete presos passaram por exame de corpo de delito em Curitiba. Do total, cinco foram presos preventivamente: Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, irmão de Dirceu; o ex-assessor de Dirceu Roberto Marques; Júlio Cesar dos Santos, sócio minoritário da JD Consultoria até 2013; Olavo Hourneaux de Moura Filho, acusado pela Polícia Federal de receber quase R$ 300 mil do esquema de corrupção na Petrobras para o irmão Fernando Moura. O presidente da Consist Software, Pablo Alejandro Kipersmit, também está preso preventivamente.

Segundo a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF), o lobista Fernando Moura teria indicado a Dirceu o nome de Renato Duque para a diretoria de Serviços da Petrobras, e de Celso Araripe para gerente na estatal. Araripe é investigado na Lava Jato de receber propina para providenciar aditivos em contrato da petrolífera com a Odebrecht.

“Governo não interfere”

O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, disse ontem que a Operação Lava Jato e a prisão do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu não afetam a credibilidade nem interferem nas atividades cotidianas do governo federal. Segundo o ministro, a prisão de Dirceu é “um fato decorrente de um processo de investigação que já vem há alguns meses”, e que por isso tem de ser tratada “com serenidade e sem qualquer tipo de interferência na nossa atividade cotidiana”.

“As autoridades do Poder Judiciário, a Polícia Federal e o Ministério Público conduzem a investigação. Cabe aos investigados tomar as providências que julgarem necessárias para se defender perante a Justiça”, disse o ministro após participar da cerimônia de lançamento do Programa Usinas Digitais.

De acordo com Berzoini, o governo nunca impediu as investigações. “Ao contrário: o governo sempre manifestou publicamente seu apoio a todo tipo de investigação”, acrescentou.

VEJA

Comentários

comentários