Dionizio aposta no impeachment , mas é contra participação do PSDB no governo Temer

O Deputado Federal Elizeu Dionizio(PSDB), esteve na tarde desta segunda-feira (25), nos estúdios da Capital 95 FM e Página Brazil, para comentar sobre os desdobramentos do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O Deputado Federal Elizeu Dionizio(PSDB), durante entrevista no programa Capital Meio Dia. (Foto: Paulo Francis)
O Deputado Federal Elizeu Dionizio(PSDB), durante entrevista no programa Capital Meio Dia. (Foto: Paulo Francis)

Elizeu, que estava entre 513 deputados aptos a participar da votação na câmara no último dia 17, fez uma breve analise deste dia e afirmou durante entrevista que todas as pessoas presentes no dia entre deputados, corpo técnico e assessores tinham a real clareza do que a política brasileira estava passando naquele momento.

“O passo que estávamos dando, a necessidade de dar esse passo e, sobretudo as conseqüências da admissibilidade do impeachment contra a Dilma traria para o contexto político do país. Com tudo isso nós sabemos que foi um momento pesado, mas que a câmara conseguiu vencer e mandamos para o senado aquilo que hoje é o centro das atenções de todos os brasileiros, inclusive eu até chamo carinhosamente esse processo de plano de salvação do Brasil”, analisa.

O deputado destaca que o Senado irá discutir a comissão que dará o encaminhamento no processo, porem o mesmo tem ritos próprios e cumprir os prazos legais estabelecidos, tanto de defesa quando de apresentação da denuncia. Caso seja aceita pelo Senado, imediatamente a presidente Dilma é afastada por 180 dias, assumindo o vice-presidente Michel Temmer, e durante esse período ela terá o prazo legal, constitucional e ampla defesa para apresentar a suas argumentações.

“Eu não tenho duvida que o Senado, como a Câmara Federal, vai dar pelo afastamento da presidente porque a meu ver é a única solução do Brasil voltar a sonhar e ter esperança de crescimento”, afirma.

Sobre a possibilidade de participação dos partidos PSDB e PMDB em um possível novo governo, o deputado federal se posiciona totalmente contra, apesar de afirmar que o momento ainda é muito prematuro para que haja qualquer definição, visto que a presidente Dilma ainda se encontra no cargo e o processo de impeachment está no senado.

“Eu acho prematuro passar essa discussão antes de termos a real clareza do momento, mas eu sou contra qualquer participação do PSDB em qualquer governo do PMDB, até porque eu sempre disse que se o Brasil chegou hoje no fundo do posso foi porque o PMDB estava ajudando a cavar esse buraco. Então se nos temos de fato um plano para 2018 para que o país volte a crescer, não podemos nos aliar aos coveiros que levou o Brasil para o fundo do poço”, finaliza.

Paulo Francis

Comentários

comentários