Depois de Maju e Tais, Cris Vianna também sofre ataques racistas

Depois de Maria Julia Coutinho e Tais Araújo, foi a atriz Cris Vianna quem sofreu ataques racistas nas redes sociais. Numa foto publicada por ela em seu perfil no Facebook, internautas publicaram uma série de comentários preconceituosos. Nesta tarde, a atriz se manifestou sobre o episódio no Instagram, disse que não vai se calar e afirmou: “Como todos vocês, tenho orgulho da minha pele, do meu cabelo, da minha origem e de tudo o que sou”.

Cris Vianna, a Indira de “A regra do jogo” - Foto: Marcos Ramos
Cris Vianna, a Indira de “A regra do jogo” – Foto: Marcos Ramos

A atriz destacou ainda que o racismo é crime e que sente vergonha e tristeza pelas pessoas que publicaram os comentários. “Essas pessoas pequenas, pobres de espírito e de coração vazio, que, em 2015, ainda insistem em reproduzir pensamentos há muito ultrapassados e desde sempre absurdos. São covardes com mentes limitadas, incapazes de enxergar e aceitar que somos todos, com as nossas diferenças e peculiaridades, dignos do mesmo respeito. A essa minoria cega e burra, minha pena”.

Leia o texto na íntegra:

Infelizmente, ainda passamos por isso em pleno 2015. Recentemente, a vítima foi a competente jornalista Maria Júlia Coutinho. E agora, apenas um mês após minha linda colega Taís Araújo também ter sido vergonhosa e covardemente atacada, aqui estamos novamente precisando enfrentar racistas escondidos sob o pretenso anonimato da internet. 

Na noite do último domingo, minha página do Facebook recebeu uma série de comentários preconceituosos, imediatamente registrados e encaminhados à Justiça. Não posso me calar. Se meu trabalho me permite alguma expressividade, usarei minha voz por muitos que sofrem esse tipo de ataque racista diariamente e voltam para casa calados, cansados de não serem ouvidos, para chorar sozinhos.

Como todos vocês, tenho orgulho da minha pele, do meu cabelo, da minha origem e de tudo o que sou. Do que somos. E não estamos sozinhos. Temos do nosso lado a lei – racismo é crime inafiançável – e milhares de brasileiros que também acreditam num país mais justo e civilizado, gente que entende que respeitar as diferenças é mais que um dever e que está disposta a denunciar e lutar contra todo tipo de preconceito.

Sinto um encantamento profundo por essa mistura de cores que embeleza o nosso país e nos faz, brasileiros todos, sermos o que somos. A vergonha e a tristeza que sinto hoje são por essas pessoas pequenas, pobres de espírito e de coração vazio, que, em 2015, ainda insistem em reproduzir pensamentos há muito ultrapassados e desde sempre absurdos.

São covardes com mentes limitadas, incapazes de enxergar e aceitar que somos todos, com as nossas diferenças e peculiaridades, dignos do mesmo respeito. A essa minoria cega e burra, minha pena.

EXTRA

Comentários

comentários