Delcídio deve prestar novo depoimento à Lava Jato para falar só de Renan

O ex-senador Delcídio do Amaral (Ex-PT-MS) deve ser convocado novamente a prestar depoimento à PGR (Procuradoria-Geral da República). Investigadores buscam mais detalhes sobre a relação entre o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e o lobista Milton Lyra. Miltinho, como é conhecido, já foi citado por delatores da Operação Lava Jato como suposto operador do presidente do Senado no Postalis, o fundo de pensão dos Correios.

Ex-senador Delcídio do Amaral (Foto: Divulgação )
Ex-senador Delcídio do Amaral (Foto: Divulgação )

Delcídio falará como Lyra operava. A data da oitiva ainda não foi marcada, informa a coluna Painel, da Folha.com.

Por 74 votos a favor, nenhum contra e uma abstenção, o plenário do Senado cassou o mandato de Delcídio no dia 10 de maio deste ano por quebra de decoro parlamentar.

O mandato de Delcidio se encerraria em 2018. Com a decisão do Senado, ele fica inelegível por oito anos a partir do fim do mandato, ou seja, não poderá concorrer a cargos eletivos nos próximos 11 anos.

Delcídio é o terceiro senador cassado na história da instituição – os outros dois foram Demóstenes Torres e Luiz Estevão.

Ex-líder do governo no Senado, Delcídio foi preso pela Polícia Federal, em novembro do ano passado, por tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato ao oferecer R$ 50 mil mensais à família de Nestor Cerveró para tentar convencer o ex-diretor da Petrobras a não fechar um acordo de delação premiada com o MPF (Ministério Público Federal).

Ele se tornou o primeiro senador preso durante o exercício do mandato. Ele foi solto em fevereiro após fechar um acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República. Ele ficou 87 dias na cadeia.

Comentários

comentários