Cúpula do PSC discutirá polêmicas e pode ‘punir’ vereador Durães na próxima 2ª feira

Jaber Candido (canto direito) com deputado Davi e cúpula nacional do PSC
Jaber Cândido (canto direito) com deputado Davi e cúpula nacional do PSC

As trapalhadas e polêmicas desnecessárias do vereador Roberto Durães (PSC), que culminaram nesta semana com a ofensa-crime contra a idosa e mãe do prefeito, levará seu partido a avaliar a conduta do parlamentar de Campo Grande. Ele que era suplente de vereador, assumiu mandato em dezembro passado e tem se envolvido em ‘confusão’, que a cúpula Social Cristã irá conversar na próxima segunda-feira (9). O fato se deve também porque a sigla está encaminhando a candidatura a prefeito da Capital, do deputado estadual Coronel Davi, que pode interferir na questão, conforme mencionou o presidente municipal, Jaber Cândido. O vereador pode ser punido pelo partido.

Cândido disse que a última polêmica envolvendo o vereador, também recém filiado ao PSC, foi grave e que até pegou de surpresa o partido, que tem que se posicionar de uma forma ou de outra. “Já tiramos que vamos nos reunir na segunda-feira, em horário e local a ser marcado. A ideia é discutirmos sobre este assunto e claro tomar alguma atitude. Vamos discutir se o parlamentar terá alguma punição ou iremos elaborar uma nota de esclarecimento, mas o PSC tem que se posicionar”, disse o dirigente, que acrescentou que na reunião não terá a presença do vereador.

Durães discursou na última terça-feira (3) e disse conhecer muito bem a mãe do prefeito Alcides Bernal, insinuado uma relação carnal, ‘eu a conheço no silêncio dos edredons’, o que causou grande repercussão, revolta e um pedido de cassação do parlamentar, protocolado nesta quinta-feira (5) na Câmara. O fato levou ontem um grande grupo a Câmara para protestar e requerer a punição máxima a Durães. Eles encontraram ou causaram até confusão na Casa de Lei, que acabou em briga e dois feridos. Desta forma, a cúpula da legenda irá se reunir e definir qual atitude tomar.

Durães pode se livrar de ter mandato cassado - Foto: Lúcio Borges
Durães pode se livrar de ter mandato cassado – Foto: Lúcio Borges

O presidente disse que a legenda foi pega de surpresa e que viu somente a repercussão, pois estão tratando somente da eleição 2016. “Estamos empenhados na pré-candidatura do deputado estadual Coronel Davi e de repente fomos surpreendidos com este fato. Vamos ver isso um tempo depois para reunir agora o diretório municipal, estadual, o deputado e o nosso suplente de senador, professor Pedro Chaves, juntamente com o Conselho de Ética”, mencionou.

Segunda etapa

Cândido destacou que após esta reunião, irão ouvir o vereador. “Primeiramente iremos conversar e analisar a situação. Na sequência vamos ouví-lo. Ai sim depois decidiremos o que fazer sobre o ocorrido. Nosso partido não decide nada sozinho e sim em conjunto”, finalizou.

… “Eu conheço muito a senhora mãe dele, viu? Eu conheço demais aquela senhora mãe dele… como eu conheço… já que é uma corja, fala pra mãe dele quem sou eu, ainda mais no silêncio dos edredons…”, foi a fala resumida da última e talvez pior polemica de Durães, que atingiu a honra pessoal de uma mulher, mãe, avó e idosa de 87 anos, e mãe de uma autoridade, o que causou revolta e acusação de machismo e ofensa a todas as mulheres

Ontem, antes do plenário da Câmara lotar, o vereador pediu ‘desculpas’, perdão e que agiu de forma errada, pedindo que seja retirado tudo que disse e os trechos da gravação dos registros da Casa. Com isso, muito provavelmente, na Casa, ele nada sofra, pois segundo o presidente da Câmara Municipal, João Rocha, ele já se retratou e foi aceito a retirada do caso do ‘histórico’ do Legislativo, o que lhe faz imputado. A justificativa já foi dada ontem também por Rocha.

A titular da Semmu, Leyde Pedroso, a direita.
A titular da Semmu, Leyde Pedroso, a direita.

Grupos de mulheres, dos Direitos Humanos e servidores, tendo a frente a titular da Semmu (Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres), Leyde Pedroso  protocolaram no fim da manhã desta quinta-feira (5), na Câmara, uma representação pedindo a cassação do vereador do PSC. Elas dizem que vão lutar para dar continuidade a ação.

A vereadora Luíza Ribeiro (PPS) participou intensamente dos protestos e como a professora Érica Vasconcelos, quer que Durães ‘pague’ o desrespeito e até crime, como consideraram, com a perda do mandato e posteriormente na Justiça, conforme o Página Brazil publicou ontem. “Durães não pode ficar na Câmara após ofender não só a mãe do prefeito, mas a todas as mulheres”, disse a vereadora.

A declaração do vereador casou repercussão negativa, muita revolta social e uma “situação constrangedora”, como considerou o presidente da Câmara, João Rocha (PSDB), que foi seguido por alguns vereadores. O prefeito inclusive confirmou que acionará o parlamentar na Justiça por danos morais.

Comentários

comentários