Comissão Processante apresenta relatório e Olarte pode ser cassado nesta terça

A Comissão Processante da Câmara Municipal amanhã aprovou por unanimidade o parecer do vereador Paulo Siufi (PMDB), no processo que julgará se o prefeito afastado Gilmar Olarte (PP) deve ter o mandato definitivamente cassado ou não, pelas denúncias de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, pelas quais Olarte também responde processo criminal no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

João Rocha e Paulo Siufi (de bigode) fazem mistério sobre relatório final Foto Silvio Ferreira
João Rocha e Paulo Siufi (de bigode) fazem mistério sobre relatório final Foto Silvio Ferreira

Siufi e o presidente da comissão, vereador João Rocha 9PSDB), não quiseram revelar a decisão antes de sua apresentação em sessão plenária, que deve acontecer nesta terça-feira (10), mesmo que seja necessária a realização de uma sessão extraordinária para a apresentação e votação do parecer.

A comissão foi criada na primeira quinzena de agosto, enquanto Olarte ainda estava à frente da prefeitura da Capital. A abertura da apuração ocorreu em razão de Olarte ser investigado pela Justiça por suposta existência de quadrilha para conseguir cheques de terceiros com a promessa de vantagem na prefeitura.

Depois da reunião entre os integrantes da Processante, Rocha se reunirá com o presidente interino da Câmara, Flávio César (PTdoB) para que a votação do Processo seja colocada em pauta.

PROCESSO

O processo que está nas mãos dos vereadores da Câmara foi aceito pelo Tribunal de Justiça no dia 12 de agosto depois de denúncia do Ministério Público Estadual (MPE).

O caso foi investigado pelo Gaeco (Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado) depois de analisar representação de Paulo Sérgio Telles. Na representação, Telles revelou a suposta existência de quadrilha para conseguir cheques de terceiros com a promessa de vantagem na prefeitura.

Os telefones de Olarte e de outros investigados foram grampeados pelo Gaeco. As conversas interceptadas, segundo Gaeco, evidenciaram prática de crime.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários