Comissão da Câmara aprova processo de impeachment de Dilma

A comissão do impeachment da Câmara aprovou nesta segunda-feira (11) relatório favorável ao afastamento de Dilma Rousseff. Agora, a votação segue para o plenário da Casa, que irá decidir se abre o processo de impedimento.

Deputados acompanham no painel eletrônico a votação que aprovou o parecer favorável ao impeachment de Dilma
Deputados acompanham no painel eletrônico a votação que aprovou o parecer favorável ao impeachment de Dilma

O parecer do relator Jovair Arantes teve 38 votos favoráveis e 27 votos contrários. Eram necessários 33 votos favoráveis ao relatório para que ele fosse aprovado, mas, independentemente do resultado, a palavra final sobre a abertura da ação é do plenário da Câmara.

Para que a ação seja enviada ao Senado, são necessários 342 votos dos 513 deputados. A votação está prevista para domingo (17).

A votação, que estava prevista para 17h, só começou às 20h30. Foi aberta oportunidade para discursos dos líderes dos 25 partidos e os dois líderes da minoria e da maioria

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, responsável pela defesa da presidente Dilma Rousseff disse horas antes da votação que o parecer apresentado era uma <a href=”http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/04/1759692-para-cardozo-relatorio-contra-dilma-e-peca-de-absolvicao-da-presidente.shtml”>”peça de absolvição histórica da presidente”</a>.

MURO

No discurso de abertura da sessão, o presidente da comissão, Rogério Rosso, <a href=”http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/04/1759668-previsao-de-votacao-e-futurologia-diz-presidente-de-comissao.shtml”>criticou</a> a intenção de instalar uma cerca na Esplanada dos Ministérios, da frente do Congresso até a rodoviária, para separar manifestantes contrários e a favor do impeachment nos dias de votação.

“Cada vez que se ergue um muro se segrega um povo. Este não é o momento de dividirmos um país ainda mais”, disse. “Não é hora de construir muros, mas de deixarmos as disputas de lado para que, ao final desse processo, independentemente do resultado possamos nos unir para superar as crises que assolam o país.”

CONFUSÃO

Antes da sessão começar, houve tumulto entre dois deputados do PMDB, suplentes de Washington Reis (PMDB-RJ). Os dois parlamentares, um contra –Hildo Rocha (PMDB-MA)– e outro a favor –Vitor Valim (PMDB-CE)– do impeachment, discutiram para saber quem havia chegado antes e, assim, assumir a vaga de Reis.

Comentários

comentários