Com palavras de ordem, guardas municipais protestam na Câmara Municipal

Guardas municipais realizam protesto na sessão legislativa da Câmara Municipal de Campo Grande desta terça-feira (23), apresentando uma pauta de reivindicações que vão do fim do comando da Guarda Municipal pela Polícia Militar – que segundo os manifestantes já teve cinco comandantes militares diferentes desde de sua criação -, passando pela distinção do pagamento dos adicionais noturno e de operações especiais (que incluam risco de vida), até o questionamento sobre a proposta da secretaria municipal de Segurança de impor a participação dos guardas em um “curso de patrulheiros”.

Foto Silvio Ferreira
Foto Silvio Ferreira

Segundo os manifestantes, o curso seria redundante porque discorre sobre atribuições que os guardas já exercem. Nelson Benitez denuncia ainda que o curso tem sido usado para coagir os guardas que – em caso de recusa em participar – têm sido transferidos arbitrariamente dos locais em que trabalham, para locais distantes de suas residências.

Foto Silvio Ferreira
Foto Silvio Ferreira

Os guardas ainda protestam contra a “desumanidade da obrigatoriedade de participação no curso de 600 horas para a capacitação que lhes permitirá o porte de arma em serviço.” De acordo com o representante dos guardas, “somos obrigados a participar das aulas depois de plantões de 24 horas, sem dispensa para as aulas, para depois ainda corrermos o risco de não sermos autorizados a ter o porte de arma e vermos todo esse esforço perdido. Isso é desumano”.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários