Com DNA Barça, filho de Mazinho encanta CBF desde que chorou em vestiário

Rafinha Alcântara, ainda em fase final de recuperação de cirurgia no joelho direito, foi liberado pelo Barcelona para uma convocação para amistosos da seleção Sub-23 nesta semana.

Rafinha celebra gol no Barcelona: importante no rodízio (Foto: EFE)
Rafinha celebra gol no Barcelona: importante no rodízio (Foto: EFE)

Mesmo apto a jogar só cerca de 20 minutos, ganhou pontos ao se deslocar da Europa para o Brasil apenas para estar no grupo, participar de treinamentos e dar mais detalhes sobre seu real estágio de recuperação. O comprometimento, digamos assim, não é novo.

Eliminação cala fundo em Rafinha

Desde que tinha 19 anos e recusou a Espanha para jogar pelo Brasil, o filho caçula de Mazinho tem comportamento que impressiona diferentes comissões técnicas que passam pela CBF. Essa história teve início no Sul-Americano Sub-20 de 2013, justamente na pior campanha brasileira na história do torneio. Mas que fez Rafinha ganhar pontos em um vestiário que ficou marcado por desunião e comportamento ruim de alguns atletas.

“Vi alguns jogadores chateados, mas Rafinha estava profundamente abalado com a situação”, relembra Emerson Ávila, então treinador do Brasil sub-20, sobre o jogador que já tinha status de Barcelona. “Ele foi um dos poucos que vi chorando pela desclassificação. É um garoto muito profissional, muito focado no que faz e, se fizer parte da Olimpíada, tomara que tenha muito êxito, porque abriu mão de outra seleção para representar o Brasil”.

O oposto a Thiago Alcântara

Se o irmão mais velho do Bayern de Munique encanta Pep Guardiola, na seleção brasileira provoca sentimento contrário. Thiago sempre assumiu o desejo de defender a Espanha , o que se definiu quando o então coordenador da CBF, Américo Faria, recusou a Mazinho uma chance ao então jovem da base do Barcelona.

Rafinha, além de mostrar desejo especial em vestir a camisa da seleção, tem maior ligação com o Brasil. Dos gostos musicais (samba) até ao destino normalmente selecionado nas férias (alguma cidade brasileira).

Barcelona monitora jogador na seleção

Se Dunga quer ter segurança de que Rafinha pode ser um dos 18 jogadores na Olimpíada, o Barcelona também sabe que precisa do reforço dele em breve para a fase final da temporada. Por isso, como contrapartida pela liberação, o clube catalão enviou um funcionário ao Espírito Santo e Alagoas, onde o Brasil sub-23 joga nesta semana.

Ao final do treinamento da última terça-feira, o representante buscou informações com Rafinha e com a comissão técnica brasileira a respeito de seu joelho direito e das cargas que ele já é capaz de suportar. O jogador está em estágio final de recuperação, treina normalmente com bola e, possivelmente, estará nos Jogos Olímpicos se tudo correr bem.

Coringa de Luis Enrique e também de Dunga

Capaz de jogar como meia ou como volante, Rafinha pode exercer na seleção brasileira sub-23 um papel semelhante ao que ocorre em seu clube. Para Luis Enrique, com quem tem rara afinidade e atuou no Barcelona B, no Celta de Vigo e no Barcelona, foi o jogador mais ativo entre todos os reservas na temporada da Tríplice Coroa, com participação em 60% das partidas.

Já Dunga testou o jogador em ambas as funções pela equipe principal e a tendência é que mantenha isso em aberto. Com Rogério Micale, em amistosos contra Nigéria e África do Sul nesta semana, se puder atuar, Rafinha deve jogar por cerca de 20 minutos como segundo volante.

Colaborou: João Henrique Marques, do UOL, em Barcelona

Comentários

comentários