Com diabete do tipo I, jovem usou esporte como ‘válvula de escape’ e carregará Tocha Olímpica em MS

Imagine que você é um menino de 12 anos e foi diagnosticado com diabete do tipo I. E agora? Como vai ser? Vou me adaptar ao novo estilo de vida? Será que vou ter que abrir mão de coisas que todos os jovens costumam fazer? Essas foram algumas das inúmeras perguntas que se passaram pela cabeça do estudante de educação física, Elton Melo, 20 anos. Diagnosticado com a doença ainda muito novo, ele usou o esporte como válvula de escape e será um dos condutores da Tocha Olímpica que passará pelo Estado neste mês.
Foto: Deivid Correia
Foto: Deivid Correia
Elton sempre gostou de esporte e costumava praticar handebol nas aulas de educação física da escola. Mas, aos 12 anos, veio o diagnóstico que não fazia parte dos planos do jovem que ainda era uma criança. No começo a doença assustou, mas logo Elton se adaptou ao novo estilo de vida. “Tive que mudar os hábitos alimentares, mas não desisti do esporte. A diabete não influenciou em nada no meu rendimento”, diz ele que coleciona medalhas de campeonatos de handebol e atletismo que já participou.
O medo de não ter autonomia para viajar para praticar esporte também apareceu no começo, já que Elton precisa fazer cinco aplicações de insulina por dia e o remédio precisa ser mantido em ambiente refrigerado. “Fui conhecendo pessoas que passam pela mesma situação e vi que não sou o único. No começo do diagnóstico achamos que a vida acabar, mas na verdade ela só está começando”, ressaltou. Ainda segundo Elton, o esporte vem sendo fundamental desde que descobriu a doença.
Elton coleciona medalhas de campeonatos. Foto: Deivid Correia
Elton coleciona medalhas de campeonatos. Foto: Deivid Correia
Olimpíadas 2016
A irmã de Elton é a responsável pelo jovem ter sido um dos escolhidos para conduzir a tocha em sua passagem por Mato Grosso do Sul. Sem nem consultar o irmão, ela escreveu uma carta contando a história de superação de Elton com o esporte em um concurso promovido pelo banco Bradesco, que é um dos patrocinadores das Olimpíadas.
“Ela me avisou que tinha mandado a carta, mas no começo nem dei bola. Depois de um tempo recebi um email informando que havia sido pré-selecionado e pedindo alguns documentos, mas não criei expectativas. Só acreditei mesmo quando recebi um outro email do comitê olímpico”, contou.
Elton é um dos mais de 12 mil condutores da tocha, que passará por 329 cidades do país. Ele participará do evento em Sidrolândia, no dia 26 de junho.
Apesar de faltar alguns dias para o revezamento da tocha, a ansiedade já toma conta do estudante. “Não tem como não ficar. Meus maiores ídolos carregaram a tocha e agora eu vou ter a mesma oportunidade”, finalizou.

Comentários

comentários