Com ajuda de Lucão, Corinthians amplia freguesia tricolor em Itaquera

O Corinthians contou um auxílio considerável para vencer pela quarta vez o São Paulo em Itaquera. O contestado zagueiro Lucão entregou a bola de presente para Lucca comemorar o seu 26º aniversário com o primeiro gol do Majestoso da tarde deste domingo. O placar de 2 a 0 foi selado por uma cabeçada de Yago.

Luca aproveitou passe de Lucão para marcar para o Corinthians (Foto: Gazeta Press)
Luca aproveitou passe de Lucão para marcar para o Corinthians (Foto: Gazeta Press)

Com mais um revés na Zona Leste paulistana, o São Paulo se firma como a maior vítima do estádio corintiano. Antes, havia sido derrotado em Itaquera por 3 a 2, por 2 a 0 e historicamente por 6 a 1 no clássico em que o Corinthians recebeu o troféu de campeão brasileiro de 2015. Desde então, o time do Morumbi não perdia um jogo.

Ainda que tenha encontrado mais dificuldades desta vez, principalmente na etapa complementar, o Corinthians ganhou confiança com a vitória deste fim de semana. Esse era o maior objetivo antes de estrear na Copa Libertadores da América contra o Cobresal, na noite de quarta-feira, no Chile.

No Campeonato Paulista, o Corinthians possui 100% de aproveitamento, já que bateu XV de Piracicaba, Grêmio Osasco Audax e Capivariano nas rodadas anteriores. Lidera o grupo D (o mesmo de Red Bull Brasil, Água Santa, Rio Claro e Mogi Mirim), portanto, com 12 pontos ganhos.

Já o São Paulo tem uma partida a menos na chave C, na qual concorre com Ferroviária, Grêmio Osasco Audax, XV de Piracicaba e Capivariano, e permaneceu com 4 pontos. Assim como o seu grande rival, irá se preocupar com a Libertadores durante a semana – enfrentará o boliviano The Strongeste na quarta-feira, no Pacaembu.

Pelo Estadual, as duas equipes entrarão em ação no domingo que vem. O Corinthians jogará contra a Ferroviária em Araraquara, enquanto o São Paulo tentará se recuperar diante do Rio Claro, de novo no Pacaembu.

O jogo 

André mostrou qual seria o espírito do Corinthians diante do São Paulo assim que o árbitro Luiz Flávio de Oliveira autorizou o início do clássico. Disposto a mostrar serviço para Tite e os torcedores, o ainda pesado estreante disparou de um lado a outro em busca da bola após a saída de jogo.

O São Paulo, ao contrário, pretendia esfriar o adversário. Ciente do que havia ocorrido na última visita do seu time a Itaquera, o argentino Edgardo Bauza escalou os seus titulares habituais – com exceção de Alan Kardec, bem substituído por Jonathan Calleri – e logo ordenou que a marcação fosse adiantada.

O Corinthians tentou transpor o bloqueio do São Paulo com alguns lances de efeito. Fagner deixou Calleri no chão com um corte no campo de defesa – mais tarde, o argentino, que incomodava a defesa rival com a sua imposição física, também seria driblado pelo goleiro Cássio. Giovanni Augusto fez melhor e aplicou dois chapéus seguidos (recurso que seria muito utilizado a partir de então) na ponta direita.

As jogadas não resultaram em perigo claro para o goleiro Denis, porém serviram para alegrar a torcida e estabelecer o domínio corintiano no Majestoso. O São Paulo só assustou mesmo quando Calleri deu uma cabeçada sobre a meta após cobrança de escanteio.

Já em seguida, contudo, o Corinthians teve a colaboração que faltava para abrir o placar. Aos 23 minutos, Lucão afastou a bola em cima de Mena e, ao perceber a saída de Denis, tentou corrigir o problema com um passe lateral. Foi uma verdadeira assistência. A bola encontrou Lucca na esquerda, que não desperdiçou.

A torcida do Corinthians, então, quis impor um clima semelhante àquele da goleada por 6 a 1. O objetivo era amedrontar o São Paulo, que já trocava passes com intranquilidade depois do erro de Lucão. Funcionou durante alguns minutos. Até Yago quase retribuir o presente do zagueiro são-paulino ao permitir o avanço de Calleri na ponta direita. Cássio apareceu para salvar.

Antes de o primeiro tempo acabar, contudo, Centurión devolveu o sorriso aos rostos dos torcedores do Corinthians ao escorregar de forma caricata ao cobrar um escanteio. Mesmo com os problemas, contudo, Bauza resolveu esperar para fazer alterações e apenas conversar para corrigir os problemas do São Paulo no intervalo.

O time visitante melhorou um pouco. Mas continuou indigno de confiança na defesa – a falta de ritmo de André fazia com que a situação não se agravasse – e precisava apelar com frequência para lançamentos longos ou chutes de fora da área em suas investidas. Em uma dessas finalizações, Michel Bastos bateu cruzado da ponta esquerda e fez Cássio trabalhar bem.

Com a intenção de conter o ímpeto rival, Tite decidiu mandar a campo o truculento Willians como substituto do novato Maycon. Bauza respondeu com Caramelo na vaga de Bruno e posteriormente com Rogério no lugar de Centurión, o que tornou o São Paulo mais incisivo.

Com o Corinthians acuado, Bauza jogou a sua última ficha no estreante Kelvin, que entrou para a saída de Thiago Mendes. No Corinthians, o desgastado André cedeu espaço a Danilo. Àquela altura, o Majestoso já parecia que ficaria calmo como o experiente meia corintiano, apesar de Ganso quase ter anotado de cabeça. Cássio defendeu.

A rede de Itaquera seria mesmo sacudida novamente em uma jogada aérea. Só que do outro lado do campo. Aos 40 minutos, Yago tirou proveito de escanteio batido por Giovanni Augusto e cabeceou no ângulo. Lucão estava na marcação do zagueiro do Corinthians. (Gazeta Esportiva)

Comentários

comentários