Cícero marca nos acréscimos, Fluminense vence e ‘se vinga’ do Corinthians

Foi no sufoco, mas o Flu garantiu a vitória sobre o timão (Foto: Reprodução ESPN)
Foi no sufoco, mas o Flu garantiu a vitória sobre o timão (Foto: Reprodução ESPN)

O duelo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil entre Corinthians e Fluminense, na última quarta-feira, foi recheado de polêmicas. Eliminado do mata-mata após a derrota por 1 a 0, o time carioca reclamou muito da arbitragem da partida. Quis o destino que as equipes se reencontrassem logo neste domingo, novamente na Arena Corinthians, desta vez pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em jogo equilibrado, o Fluminense contou com um gol de Cícero aos 48 minutos do segundo tempo para derrotar o Corinthians por 1 a 0, ‘vingando’ a queda na Copa do Brasil.

E o jogo deste domingo teve novas polêmicas. Após bola levantada na área do Corinthians no primeiro tempo, os jogadores do Fluminense reclamaram bastante de um lance envolvendo Marcos Júnior e Marquinhos Gabriel. Para os cariocas, o corintiano agarrou o atacante do Fluminense dentro da área, impedindo que ele subisse para disputar a bola. Os jogadores tricolores e o técnico Levir Culpi indagaram o árbitro Anderson Daronco, que não marcou a suposta infração.

Do outro lado, o zagueiro Balbuena também alegou que foi puxado na área do Fluminense em um escanteio. Mas a arbitragem também não viu o lance como faltoso.

Quando parecia que a partida terminaria sem gols, o Fluminense fez a alegria de sua torcida aos 48 minutos do segundo tempo. Depois de falta cobrada por Scarpa na área, Gum desviou, e a bola sobrou limpa para Cícero mandar para o fundo da rede, sem chances para o goleiro Walter, que substituiu o lesionado Cássio.

Apesar de o confronto deste fim de semana ter sido importante na disputa pelo G-4, apenas 18.838 torcedores pagaram ingresso para estar em Itaquera, que tinha um setor interditado e registrou o seu pior público na história.

Confira os melhores momentos do confronto:

O jogo

Recepcionado no gramado de Itaquera com gritos de “eliminado”, em clara referência à derrota para o Corinthians na Copa do Brasil, o Fluminense não se intimidou no reencontro com o adversário. Soltou-se logo em direção ao gol onde estava Walter, e não Cássio, lesionado de última hora, nem os torcedores organizados corintianos – o setor norte do estádio foi interditado em função dos incidentes do último clássico contra o Palmeiras.

O Corinthians aceitou o jogo aberto proposto pelo Fluminense. A princípio, dependeu das arrancadas de Fagner do lado direito para incomodar o time carioca, porém não demorou a passar mais tempo com a bola nos pés. Faltava objetividade – os comandados de Fábio Carille pouco finalizavam, apesar de rondar a área rival com frequência.

Quando chutou a gol, o Fluminense se mostrou mais perigoso. Aos 24 minutos, Gustavo Scarpa fez boa enfiada de bola pela ponta direita, e Marcos Júnior avançou no meio da insegura dupla de zaga do Corinthians para aparecer na frente de Walter, que salvou a sua equipe com uma bela defesa.

A resposta corintiana foi imediata. Em um contra-ataque rápido, o falso centroavante Romero foi lançado na direita (onde se sente mais à vontade), deu um belo drible antes de entrar na área e bateu cruzado. O goleiro Júlio César, quase traído por um desvio no meio do campo, defendeu no susto.

Nos minutos finais do primeiro tempo, o Fluminense pressionou o Corinthians à base de cobranças de escanteios. Em um deles, a polêmica do jogo do meio da semana foi reacendida. Marcos Júnior se sentiu agarrado por Marquinhos Gabriel na segunda trave e desviou o olhar para o árbitro Anderson Daronco, acenando negativamente a cabeça. “Foi pênalti? Foi pênalti? Eu acho que foi”, protestou, já no intervalo.

Outra vez preocupado em jogar futebol na etapa complementar, Marcos Júnior voltou a parar em Walter aos cinco minutos. O substituto de Cássio se esticou todo para, com as pontas dos dedos, evitar que a bola entrasse em uma conclusão cruzada e rasteira do atacante do Fluminense.

Assim como no primeiro tempo, o Corinthians entrou no jogo após alguns minutos e começou a dar trabalho para a marcação visitante. O time da casa agora distribuía melhor a bola em suas investidas, apesar do individualismo de Rodriguinho em alguns momentos. Giovanni Augusto era ainda uma boa opção como homem-surpresa, chegando de trás, embora Romero se mostrasse atrapalhado na hora de tramar jogadas com ele.

Para diminuir o ímpeto corintiano, Levir Culpi recorreu às entradas de Marquinho, Richarlison e Magno Alves nas vagas de Douglas, Marcos Júnior e Wellington. Fábio Carille deu o troco com Lucca no lugar de Marlone, substituição que desagradou à parte do público presente em Itaquera, e trocou o aplaudido Giovanni Augusto por Gustavo mais tarde.

Com essas mudanças, o Corinthians continuou no campo de ataque na maior parte do tempo, pressionando o Fluminense. Esbarrou em algumas falhas de Romero, que arriscou até uma bicicleta, e na dificuldade que Gustavo demonstra ter com a bola nos pés. Os visitantes tentaram aproveitar os espaços oferecidos para contragolpear. E tiveram sucesso aos 49 minutos, quando Cícero ficou com a bola depois de Magno Alves escorar dentro da área e mandou para dentro.

FICHA TÉCNICA:
CORINTHIANS 0 X 1 FLUMINENSE

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 25 de setembro de 2016, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno (RS)
Público: 18.838 pagantes (total de 19.183)
Renda: R$ 914.004,50
Cartões amarelos: Guilherme Arana, Giovanni Augusto e Gustavo (Corinthians); Henrique, Gum e Pierre (Fluminense)
Gol: FLUMINENSE: Cícero, aos 49 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Walter; Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana; Camacho, Giovanni Augusto (Gustavo), Marlone (Lucca), Rodriguinho e Marquinhos Gabriel; Romero. Técnico: Fábio Carille

FLUMINENSE: Júlio César; Igor Julião, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre, Douglas (Marquinho), Cícero e Gustavo Scarpa; Marcos Júnior (Richarlison) e Wellington (Magno Alves). Técnico: Levir Culpi

Comentários

comentários