Chiquinho Telles deve ser o futuro líder do prefeito na Câmara

Vereador Chiquinho Telles, durante entrevista ao Página Brazil. (Foto: Paulo Francis)
Vereador Chiquinho Telles, durante entrevista ao Página Brazil. (Foto: Paulo Francis)

O prefeito eleito Marquinhos Trad (PSD) ou o momento de transição para a prefeitura de Campo Grande, tem adiantado de certa forma e já apontado definições da futura administração, seja no próprio Executivo, como na relação com o futuro Legislativo. Assim, o nome do novo líder na Câmara de Vereadores, que deve ser Chiquinho Telles, também do PSD, já está sendo ‘trabalhado’ ou em trabalho, como quem vai representar e atuar na função. O parlamentar entra em seu segundo mandato, tendo conseguido se reeleger no pleito de outubro, entre os onze dos 29 vereadores. Telles vai ter que representar o prefeito e trabalhar com uma base oficial eleita com sete colegas e outros cinco que agregaram ao bloco. A soma fica pouco menor entre 51% da Casa de Lei ante a maioria dos 17 eleitos, por outra coligação, mas que já anunciaram ‘apoio’ a nova administração para “recuperar o município”.

Apesar de ainda estar na atual legislatura, e nem ter sido diplomado para o futuro mandato, o social democrata tem acompanhado Trad e agido já como liderança entre os 12 colegas, que já tem participado de reuniões, como base denominada aliada direta a futura gestão. Junto com Telles, na então aliança de Trad foram eleitos e serão liderados: Otávio Trad (PTB), Vinicius Siqueira (DEM), Enfermeiro Fritz (PSD), Pastor Jeremias Flores (PT do B), William Maksoud (PMN). Os que foram eleitos por outras coligações, mas já estão na base ou em ‘independência basista’ são:  o trio do PP – Dharleng Campo, Valdir Gomes e Cazuza; como ainda Airton Araujo (PT) e Enfermeira Cida Amaral (PTN).

Telles, dito escolhido desde já, para ser líder do prefeito eleito tem até falado e iniciou os primeiros passos para uma chamada “conciliação” entre a Câmara Municipal e o Executivo para o próximo mandato. Ele, que como 90% dos demais vereadores da atual legislatura, que direta ou indiretamente, criaram a crise político-administrativa da atual gestão de Alcides Bernal, tem sido ameno, após apoio eleitoral para eleger Trad. Mas, como ‘líder’ já fala como tal, e de forma a remeter ao passado para trabalhar a futura forma de atuação na Câmara.

“Não precisamos explicar muito, Campo Grande precisa de um árduo trabalho de recuperação, tivemos uma legislatura difícil, agora é pensar num novo tempo para nossa Capital, para o povo, e os passos que Marquinhos deu até agora já mostram o quanto ele quer isso”, ponderou Telles sobre o difícil relacionamento entre o Legislativo e o Executivo nos últimos quatro ano. Bernal, até hoje, ficou sem líder após retornar ao mandato em agosto de 2015.

bancadaHora do vira vira

Telles, tem discursado em nome de Marquinhos, e com ele, já se reuniram com grupos da Cultura, de pais de alunos com deficiência e que necessitam de melhorias no atendimento, além de reunião na semana passada, com os vereadores eleitos, para juntos: ‘fazerem um trabalho pela Capital’. A avaliação é que é o melhor momento para Campo Grande “dar uma virada”.

Sobre a reunião com os vereadores eleitos, ele acompanhou o ‘chefe’ Marquinhos, que já tinha sido econômico com as palavras, mas preciso. “Estamos unidos por Campo Grande”, garantiu.

O já futuro líder tem discursado na Câmara e ratificou após reunião que ‘não vai ser só a virada do ano, mais também da virada de Campo Grande’. Ele aponta que “teremos uma Capital melhor, para uma nova gestão, de paz, de tranqüilidade e recuperação. Temos muito, mas muito trabalho a ser feito e vamos fazer. Sem sombra de dúvidas. Confio no trabalho que o Marquinhos desenvolve, ele já mostrou sua competência como deputado estadual e está pronto para ser o melhor prefeito que Campo Grande já viu”, finalizou Telles.

Curriculum

Telles aponta que sempre trabalhou lado a lado com o prefeito eleito, entre a atuação parlamentar de ambos, durante todo seus primeiros quatro anos de mandatos como vereador, atuando juntamente com e ou ao lado do hoje, ainda deputado Trad, na AL-MS (Assembléia Legislativa de MS).

O vereador lembra de algumas questões importantes como a cobrança da iluminação pública e a luta contra os desmandos da Concessionária de Energia de MS, onde os parlamentares fizeram ações tanto na AL-MS, como na Câmara de forma co-participativa ou independente, mais com contribuição de ambos pela causa especifica ou outras.

Telles vai ter que lidar e negociar com a maioria eleita, que em tese ficaria ou ficará como oposição parlamentar. Contudo, ele não deve ter muito trabalho, pois os 17 eleitos, por meio de partidos e ou lideranças maiores já anunciaram ‘apoio’ a nova administração para “recuperar Campo Grande”.

Os 17 eleitos pela então coligação da candidata Rose Modesto – (PSDB/PR/PSB/PSL/SD/PRB/PDT) são:

PSDB – 7 vereadores : André Salineiro, Prof. João Rocha,  Júnior Longo, João César Mattogrosso, Delegado Wellington, Antonio Cruz e  Lívio Leite.

PRB – 2 vereadores : Gilmar da Cruz e Betinho

PSB – 2 vereadores: Carlão e Veterinário Francisco

SD – 2 vereadores: Lucas de Lima  e Papy

PDT – 2 vereadores: Odilon de Oliveira e Ademir Santana

Independentes

PV/REDE – 1 vereador : Eduardo Romero (Rede)*

PMDB – 2 vereadores : Dr. Loester e Paulo Siufi

Comentários

comentários