Chanceler russo diz que ameaça de Trump à Venezuela é “inaceitável”

Agência Brasil

O encontro de Trump com o ministro russo das Relações Exteriores Sergei Lavrov foi o contato público de mais alto nível realizado entre os governos de Washington e Moscou até agora

Sergeyi Lavrov, na foto em encontro com Trump, considera inaceitável o uso da força (foto: Agência Lusa/Russian Foreign Ministry)

O Ministro de Assuntos Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, classificou hoje (16) como “inaceitável” a ameaça de intervenção militar norte-americana na Venezuela, feita pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na semana passada.

“Estamos unidos quanto à necessidade de que as diferenças existentes no país [Venezuela] sejam superadas de maneira pacífica, através do diálogo nacional, sem qualquer pressão externa – para não falar do caráter inaceitável da ameaça de intervenção militar nos assuntos internos daquele país”, declarou Lavrov à jornalistas logo após se reunir, em Moscou, com o chanceler boliviano, Fernando Huanacuni Mamani.

Lavrov voltou a defender uma nova “ordem mundial policêntrica, mais justa e estável”. E, sem citar nomes, ele criticou o que qualificou como tentativas de boicote à instauração de novas formas de cooperação internacional.

“Rússia e Bolívia são unânimes ao rechaçar as tentativas de torpedear o processo de estruturação de uma ordem multipolar, bem como a renúncia à cooperação multilateral em prol de medidas unilaterais e ilegítimas, incluindo a intromissão em assuntos internos, inclusive com o emprego de tropas militares”, acrescentou o ministro russo.

Na última sexta-feira (11), Trump disse não descartar uma “opção militar” para tentar solucionar a crise da Venezuela, país que, em sua opinião, se encontra afundado em uma “bagunça muito perigosa”.

Nos dias seguintes, o vice-presidente Mike Pence, em viagem pela América Latina, tentou amenizar as declarações de Trump, afirmando que o governo norte-americano quer uma “solução pacífica” para a situação, mas também que “os Estados Unidos não cruzarão os braços enquanto a Venezuela afunda” e, por isso, o governo de seu país analisa “muitas opções”.

Brasil contra

Vários países se manifestaram contrários à declaração de Trump. O Ministério das Relações Exteriores brasileiro divulgou nota reafirmando que a posição do Mercosul é de “repúdio à violência e qualquer opção que envolva o uso da força” na Venezuela.

O Ministério de Assuntos Exteriores da China também defendeu que as relações bilaterais devem sempre manter o princípio de não interferência nos assuntos internos de outros países.

Comentários

comentários