Caravana leva atendimento em 8 especialidades para pacientes de Aquidauana e região

Pacientes que esperaram mais de dois ou três anos por uma consulta, puderam finalmente receber atendimento na Caravana da Saúde, em Aquidauana. Oito especialidades médicas foram disponibilizadas à população e mais de 1,5 mil consultas serão realizadas durante a ação.

“Realizamos o ultrassom de um paciente que foi solicitada em 2013. Portanto, ele está a todos esse tempo aguardando por um diagnóstico”, disse o médico Estevão Barbosa, coordenador das especialidades médicas da Caravana da Saúde. A maior parte das consultas, segundo o profissional, acontece nas áreas de otorrino e ortopedia.

Foto: Chico Ribeiro
Foto: Chico Ribeiro

Há quase dois anos, Sirnei Pereira Marques aguarda uma consulta para o filho de 19 anos que tem problema de audição. “Foi muito bom poder ser atendida aqui porque eu estou esperando essa consulta há muito tempo”, contou satisfeita.

Além de otorrino e neurologia, a 9° edição da Caravana da Saúde leva aos moradores de toda a região a especialidade de psiquiatria, cardiologia, ortopedia, urologia, dermatologia e angiologia. “Apesar de poucos médicos no Estado, a neurologia irá atender 100 pacientes durante a Caravana”, disse o médico.

Também são realizadas 300 consultas ortopédicas, 150 vasculares, 150 dermatológicas, 150 de cardiologia, 200 de urologia, 100 de psiquiatria e 350 de otorrino.

A dona de casa Jaquiely Silva, 24 anos, aguardava a consulta de neurologia para a filha de cinco anos. Já com os exames, a mãe esperava por uma consulta desde outubro do ano passado. “Eu não sei o que ela tem. Mas ela inda não fala e tem dificuldades na escola”, contou.

A menina nasceu pré-matura e desde bebê apresentava dificuldades de aprendizagem e também na fala. “Mas eu nunca levei ela ao médico porque achei que fosse passar. Só no ano passado quando ela entrou na escola, é que eu percebi que a situação era grave”, contou a mãe feliz com a oportunidade da consulta.

“A Caravana foi uma benção aqui. Sem ela, não sei mais quanto tempo eu precisaria esperar pela consulta”.

Notícias MS

Comentários

comentários