Capelão do Corpo de Bombeiros faz alerta para o aumento de casos de suicídio nesta época do ano

Edilson dos Reis, Capelão do Corpo de Bombeiros. (Foto: Paulo Francis)
Edilson dos Reis, Capelão do Corpo de Bombeiros. (Foto: Paulo Francis)

As festas de final de ano e a natural euforia desta época do ano não representam necessariamente alegria para todos. Ao contrario da maioria, algumas pessoas sentem desamparo e desanimo provocados por vários fatores, ou por perdas ocorridas no decorrer do ano, ou por fazerem um balanço da vida e não se sentirem feliz.

Como exemplo, na última sexta-feira (25), dia de Natal, morreu o músico e compositor Geraldo Roca, aos 57 anos. As primeiras informações deram conta de que Geraldo cometeu suicídio com um tiro na cabeça, em sua residência, no bairro Chácara Cachoeira, em Campo Grande.

Diante de casos como este recentemente foi criada aqui no Estado  Associação Sul-mato-grossense de prevenção ao suicídio, que tem o objetivo de criar cursos, promover palestras e seminários voltados a comunidade em geral e aos profissionais de saúde que atuam nessas áreas., como também grupos religiosos.

O Capelão do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, Edílson dos Reis, destaca que somente no ano passado, em Campo Grande, foram contabilizadas 730 tentativas de suicídio, já neste ano, somente até o mês de novembro, foram 643 tentativas.

“Essa Associação nasce na intenção de nós criarmos na sociedade a cultura da prevenção de suicídio, que segundo a Organização Mundial de Saúde, 80% dos casos de suicídio podem ser evitados quando se trata a questão da prevenção primaria. Portando a função primordial é dar voz a um tema tão polemico, mas necessário de ser trabalhado”, explica o capelão.

Edílson frisa para que todos se atentem, principalmente nesse período festivo de fim de ano, a aquelas pessoas próximas a nós que tenham uma mudança de comportamento, que tem ficado isolada das demais, no sentido de dar mais atenção, ouvir as mesmas e principalmente perguntar o que pode ser feito para ajudá-lo.

“Para quem esteja passando por um sofrimento, a orientação é sempre buscar uma pessoa para conversar, seja um familiar, amigo, padre, pastor, psicólogo, assistente social, mas jamais fique só para você a dor pois uma dor não compartilhada dói mais. E tudo que tem um começo tem um fim, mas não o fim da morte e sim o fim de um ciclo e o começo de uma nova vida”, finaliza.

Em Campo Grande o telefone para atendimento do GAV (Grupo de Amor a Vida) é o 141, e em outras partes do Brasil há também o CVV ( Centro de Valorização a Vida), com o mesmo número.

Como foi criada recentemente, a sede da Associação Sul-mato-grossense de prevenção ao suicídio está localizada na Rua 15 de Novembro, na Fatel (Faculdade Teológica Instituto de Desenvolvimento Humano).

Paulo Francis

Comentários

comentários