Campo-grandense cai para francês invicto e disputará repescagem na Rio-2016

O Campo-grandense Rafael Silva, o Baby, teve o seu maior desafio no caminho da medalha de ouro no judô pela categoria acima de 100 kg da Rio-2016 e não resistiu e vai para a repescagem na busca pelo bronze. O brasileiro enfrentou logo nas quartas de final o francês invicto há 108 lutas, Teddy Riner.

Rafael Silva tenta se livrar da pegada do francês Teddy Riner, no duelo pelas quartas (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)
Rafael Silva tenta se livrar da pegada do francês Teddy Riner, no duelo pelas quartas (Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)

Na Arena Carioca 2, Baby recebeu muito o apoio da torcida e entrou no tatame para o combate ao som de “Olele, Olala, o Baby vem aí e o bicho vai pegar”. O rival foi muito vaiado, enquanto os torcedores franceses tentavam gritar o nome de Teddy Riner. Todos os gritos abafados pelos brasileiros, mas nem todo o apoio foi suficiente para bater o Riner.

Rafael Silva segurou o adversário grande parte da luta, mas não conseguiu nenhum ataque, o que lhe rendeu três penalidades. Baby ficou evitando a queda até os 2 minutos, quando Riner conseguiu um wazari. Aí não deu mais para correr atrás do prejuízo.

Teddy Riner não sabe o que é perder há muito tempo e também não sabe o que é perder para Baby. Em sete encontros, agora oito, o francês venceu todas as lutas.

Baby agora vai enfrentar o holandês Roy Meyer na primeira luta da repescagem. Os combates voltam na Arena Carioca 2, a partir das 15h30.

Baby tentará repetir bronze de Londres
Além do bronze em Londres-2012, Rafael Baby tem como resultados mais expressivos a prata no Mundial de 2013 e o bronze no de 2014. Com 2,03 m e 160 kg, o peso-pesado do judô sempre se deu bem em sua categoria, mas vem de uma lesão grave e tem uma chave difícil como desafio.

A equipe de judô do Brasil iniciou as disputas no Rio de Janeiro cercada de expectativa, mas em seis dias tem até agora duas medalhas: o ouro conquistado por Rafaela Silva e o bronze por Mayra Aguiar. Felipe Kitadai, Charles Chibana, Alex Pombo, Victor Penalber, Tiago Camilo, Rafael Buzacarini, Sarah Menezes, Érika Miranda, Mariana Silva e Maria Portela se despediram sem pódio.

Quando o COB (Comitê Olímpico do Brasil) fez o planejamento para que o país chegasse ao top-10 do quadro de medalhas, pensou em cinco medalhas vindas dos tatames. Porém, não será possível igualar a projeção. Além de Rafael Silva, que busca a primeira medalha masculina para os judocas no Rio, Maria Suelen Altheman fecha a participação brasileira nesta sexta-feira.

Comentários

comentários