Campo Grande recebe espetáculo que conecta dança e tecnologia

Um espetáculo que conecta a dança a tecnologia, englobando estilos de dança urbana e contemporânea embalados por uma trilha sonora exclusiva. Este é “Fluzz”, novo trabalho da companhia Dançurbana, que estreia nesta sexta-feira (2), às 20h, no teatro Glauce Rocha, em Campo Grande. A entrada é gratuita e os ingressos devem ser retirados no local da apresentação a partir das 19h (de MS).

Espetáculo Fluzz, da cia Dançurbana, estreia nesta sexta-feira (2), em Campo Grande. (Foto: Helton Pérez/Cia Dançurbana)
Espetáculo Fluzz, da cia Dançurbana, estreia nesta sexta-feira (2), em Campo Grande. (Foto: Helton Pérez/Cia Dançurbana)

“Como o nosso corpo se relaciona com a tecnologia? Diante de uma sociedade cada vez mais conectada, nasceu a ideia de criar um espetáculo que pudesse promover o diálogo sobre o tema. Nossa pesquisa está diretamente ligada sobre como o corpo se comporta diante da tecnologia, como ele tem que fazer modificações para se adaptar a isso. Nos baseamos em diferentes aspectos da tecnologia: interação, participação, mídia sociais, entre outros. E nos inspiramos no autor Augusto de Franco, escritor e investigador da Nova Ciência das Redes, pesquisador que guiou nossos estudos, criação e nome do espetáculo”, explica o diretor e coreógrafo da companhia, Marcos Mattos.

Mattos diz que em Fluzz, o corpo é o ponto de partida que aponta para diferentes direções, pois o caminho é o próprio fluxo. No palco são apresentadas técnicas de danças urbanas, dança contemporânea e improvisação. Elas são utilizadas pelos seis intérpretes-criadores para tecer uma rede de conexões. O corpo é o grande comunicador entre pessoas.

A trilha sonora é construída ao vivo, conforme o olhar do VJ Reginaldo Borges Soares, por isso, cada apresentação de Fluzz tem uma trilha exclusiva. Outro aspecto que torna cada sessão do espetáculo única é a improvisação, técnica que também será aplicada em cena.

“O público verá cenas improvisadas e cenas coreografadas. Até por conta de uma referência muito grande das redes, do fluxo que se cria, da relação tempo e espaço, a improvisação tem muito disso, é aqui e, agora, as redes também tem isso, tem aquele aplicativo, por exemplo, em que você manda uma imagem que depois de certo tempo é apagada’, acrescenta Mattos.

Outro destaque é o figurino, baseado em jogos, videogame e também na ideia dos “recortes”. “Dentro de um experimento que fizemos com um smartphone, percebemos que nós, enquanto usuários, sempre fazemos um recorte daquilo que queremos ver e nos inspiramos neste hábito para a concepção do figurino”, completa ele.

Depois de Campo Grande, a companhia segue com apresentações em Dourados, no dia 16 de setembro, às 20h, no Clube Indaiá; em Três Lagoas, em 30 de setembro, às 20h, no Barracão da NOB e; em Corumbá, em 18 de novembro, às 20h, no Auditório Salomão Baruki. Nestas cidades também serão realizadas oficinas de danças urbanas.

Serviço
Estreia do espetáculos Fluzz, da companhia Dançurbana
2 de setembro, às 20h
Teatro Glauce Rocha, em Campo Grande (MS)
Ingressos são gratuitos e devem ser retirados a partir das 19h no local.
Mais informações no: www.dancurbana.com.br.

Comentários

comentários