Câmara decide manter Processante e não descarta cassar mandato de Olarte

Mesmo afastado pela Justiça, a Comissão Processante decidiu manter o processo e pode cassar definitivamente o mandato de Gilmar Antunes Olarte (PP), afirmou manhã de hoje (8) o presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Flavio Cesar (PT do B).

João Rocha, presidente da Comissão Processante contra Olarte Foto Silvio Ferreira
João Rocha, presidente da Comissão Processante contra Olarte Foto Silvio Ferreira

Olarte foi afastado da prefeitura da Capital após ser alvo da operação Coffee Break, feita pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), suspeito de corrupção passiva e ativa, além da compra de votos na Câmara Municipal.

Segundo o presidente da Comissão Processante, vereador João Rocha (PSDB), Olarte entregou a defesa na última sexta-feira (4). Após analisar os argumentos do prefeito afastado, os três vereadores da comissão – Chiquinho Telles (PSD) e Paulo Siufi (PMDB) completam o trio – decidiram manter o processo de cassação.

João Rocha informou que uma reunião foi realizada com os membros, que necessitam de um prazo maior para realizar os trabalhos.

“Fizemos uma reunião com comissão na segunda-feira e entendemos que é necessário ter mais prazos para dar continuidade as investigações. O prazo é de noventa dias para a Comissão concluir um parecer”, disse Rocha.

De acordo com o vereador, Olarte ainda arrolou nenhuma testemunha. No entanto, os vereadores podem marcar depoimentos de testemunhas e até do prefeito afastado.

A Comissão Processante mantém os trabalhos porque Alcides Bernal (PP) retornou à Prefeitura de Campo Grande por força de uma liminar e ainda há a possibilidade de Olarte retornar ao cargo.

Comentários

comentários