Brasil fecha 104 mil vagas de trabalho formais no pior fevereiro em 25 anos

Foto Divulgação
Foto Divulgação

O corte de vagas de trabalho com carteira assinada continuou forte em fevereiro deste ano. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), no mês passado as demissões superaram as contratações em 104.582 empregos.

Este foi o pior resultado para o mês de fevereiro desde o início da série histórica, em 1992, ou seja, em 25 anos. Até então, o maior número de demissões havia sido registrado em 1999 (78.030 vagas fechadas). Os números foram divulgados pelo Ministério do Trabalho na última terça-feira (22).

Também foi o décimo primeiro mês seguido de fechamento de vagas com carteira assinada. O último mês com contratações acima das demissões foi em março do ano passado – quando foram criados 19,2 mil postos de trabalho.

A demissão de trabalhadores acontece em meio à forte queda do nível de atividade, com a economia em recessão. Para este ano, a estimativa do mercado financeiro é de uma queda de 3,6% no Produto Interno Bruto (PIB), após uma retração de 3,8% em 2015 – a maior em 25 anos.

Primeiro bimestre

No acumulado do primeiro bimestre deste ano, o país perdeu 204.912 empregos formais. No mesmo período do ano passado, 83.744 trabalhadores com carteira assinada foram demitidos.

Segundo o governo, o resultado dos dois primeiros meses deste ano também foi pior, para este período, desde o início da série histórica do Ministério do Trabalho, em 2002. Superou até mesmo as demissões do primeiro bimestre de 2009, ano marcado pela crise financeira (84.145 vagas fechadas.).

Os números de criação de empregos formais do primeiro bimestre, e de igual período dos últimos anos, foram ajustados para incorporar as informações enviadas pelas empresas fora do prazo no mês de janeiro. Os dados de fevereiro ainda são considerados sem ajuste.

Demissões em 12 meses

O Ministério do Trabalho informou também que, nos últimos doze meses, foi registrada a demissão de 1.706.695 trabalhadores com carteira assinada. Com isso, o total de trabalhadores empregados formalmente no país passou de 41,1 milhões, em fevereiro de 2015, para 39,48 milhões no mesmo mês deste ano.

Setores

No mês passado, quase todos os setores da economia demitiram trabalhadores, com exceção da administração pública, que contratou 8.583 pessoas.

O setor de comércio liderou o fechamento de vagas com carteira assinada em fevereiro deste ano, com 55.520 demissões – seguido pela indústria de transformação (26.187 vagas fechadas).

A construção civil fechou 17.152 postos formais em fevereiro, ao mesmo tempo em que o  setor de serviços registrou a demissão de 9.189 trabalhadores, segundo o Ministério do Trabalho.

Já a agricultura teve o fechamento de 3.661 postos de trabalho em fevereiro, enquanto que a indústria extrativa mineral demitiu 390 empregados no mês passado.

Números regionais

Segundo o Ministério do Trabalho, houve o registro de demissões em três das cinco regiões do país em fevereiro deste ano.

A região Nordeste foi a que teve mais trabalhadores demitidos no mês passado, quando 58.349 pessoas perderam o emprego. A região Sudeste, por sua vez, registrou a demissão de 51.871 trabalhadores, enquanto a região Norte contabilizou o fechamento de 7.834 vagas formais.

Já a região Sul abriu 8.813 empregos com carteira assinada no mês passado e, a região Centro-Oeste, apresentou um saldo de 4.659 vagas formais abertas.

O governo informou ainda que, entre os estados, apenas seis deles tiveram contratações em fevereiro.

Entre eles, estão o Rio Grande do Sul (+6.070 postos, devido a Indústria da Borracha, Fumo e Couros e da Indústria de Calçados), Santa Catarina (+4.793 postos, em razão da Administração Pública e Indústria Têxtil) e Mato Grosso (+3.683, pelo desempenho da Agricultura).

Comentários

comentários