Borracheiro foi preso por engano após execução na fronteira

A vitima do engano foi identificado como Arcindino Correa da Silva, confundido com um dos pistoleiros que na manha de segunda feira (24) transitavam a bordo de um veiculo Honda cor preta e atacaram a tiros um cidadão identificado como Ariel Luciano Dure Soto (32), no momento em que a vitima abordava um táxi na frente de sua residência situada na Rua Mariscal Lopez e Tenente Roa do bairro Bernardino Caballero, onde foi surpreendido pelos pistoleiros que realizaram vários disparos de fuzil Ele foi socorrido ao Hospital da Cassems de Ponta Porã, onde minutos depois faleceu.

Imagem de posto de combustível mostra suspeito de assassinato correndo - Foto: Divulgação/Porã News
Imagem de posto de combustível mostra suspeito de assassinato correndo – Foto: Divulgação/Porã News

O site Porã News divulgou que a Polícia Nacional passava pelo local e fez perseguição. Os suspeitos do assassinato fugiram para o Brasil e abandonaram o veículo na MS-164, em posto de combustível chamado “Divisa”.

No local, a Polícia Militar fez patrulhamento e deteve duas pessoas. Entre elas Diego Jacobsen dos Santos e o borracheiro Arcindino Correa da Silva, que não tinha relação com o crime.

Os dois homens foram levados a agentes da Polícia Nacional do Paraguai como sendo os autores da emboscada. Enquanto isso, investigação da Polícia Civil de Ponta Porã buscou as imagens de segurança no posto de combustível e identificou que Arcindino estava o tempo todo sentado no local, tomando tereré, e não tinha ligação com o crime.

O delegado Jarley Inácio de Souza chefiou o trabalho e encaminhou as provas para a Seção de Investigação de Delitos da Polícia Paraguaia para conseguir libertar o borracheiro.

Foto: Divulgação/Porã News
Foto: Divulgação/Porã News

As cenas gravadas mostraram também os dois homens que haviam deixado o Honda Civic no local e cada um correu para diferentes direções. Contudo, um deles sentou-se perto de Arcindino.

O consulado brasileiro em Pedro Juan Caballero acompanhou o caso para libertar o brasileiro.

Comentários

comentários