Bancos reabrem nesta terça-feira no Estado

Os bancários da maior parte do País encerraram nessa segunda-feira (26) à noite a greve da categoria, que durou 21 dias. Segundo o sindicato dos Bancários de Campo Grande e região), 94% das agências estavam paradas desde o dia 6 de outubro. Os trabalhadores dos estados de Mato Grosso e de Roraima decidiram continuar em greve.

No dia 5 de outubro, véspera da greve, o movimento foi grande nos bancios da Capital
No dia 5 de outubro, véspera da greve, o movimento foi grande nos bancios da Capital

A maior parte dos bancários, em assembleias na noite de ontem, aceitou o acordo proposto pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), que ofereceu reajuste de 10% sobre os salários, a participação nos lucros e resultados (PLR) e o piso da categoria. Com o reajuste de 10 % sobre a PLR, os bancários garantiram que a parcela adicional será de 2,2% do valor do lucro líquido, distribuído linearmente. Também foi proposto um reajuste de 14% para os vales-refeição e alimentação.

De acordo o presidente do Sindicato dos Bancários de Campo Grande e região, Edivaldo Barros., com esse índice, em 12 anos, será possível acumular 20,83% de ganho real nos salários e 42,3% nos pisos. Para ele, esta paralisação “foi uma das mais fortes dos últimos anos e a conquista foi consequência da nossa luta e mobilização”.

Os bancos aceitaram abonar parte das horas não cumpridas durante a greve e os funcionários vão trabalhar uma hora a mais até o dia 15 de dezembro.

Dourados e Região

O presidente do Sindicato dos Bancários de Dourados e Região, Janes Estigarribia, disse que o valor proposto pelos bancos, apesar de não ser o pedido pela categoria, é satisfatório.

A greve deixou 100% das agências fechadas na região de Dourados.

Segundo o presidente, as outras reivindicações internas que a categoria colocou em pauta continuarão em discussão, entre elas o aumento no número de funcionários nas agências.

Comentários

comentários