Auxiliar de serviços gerais é preso por abusar sexualmente de filha e enteada

O suspeito não teve a identidade revelada para preservar as vítimas
O suspeito não teve a identidade revelada para preservar as vítimas

Um homem de 29 anos foi preso na madrugada de hoje (18) por policiais da DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) acusado de ter estuprado uma filha de 10 anos e uma enteada de 12.

O suspeito, que trabalha como auxiliar de serviços gerais, foi detido na casa do pai, em bairro de Campo Grande.

O caso crime, descoberto no dia 24 de maio, quando o delegado Paulo Sérgio de Souza Lauretto pediu a prisão preventiva do suspeito, porém, manteve a identidade dele preservada para que as vítimas não fossem identificadas.

Segundo o delegado, o caso foi denunciado à polícia pelo avô materno das meninas. Ele procurou um amigo que é policial civil e contou que estava desconfiado dos abusos. Os dois registraram a denúncia na DPCA, que passou a investigar o suspeito e constatou os abusos.

De acordo ainda com o delegado, em conversa com uma psicóloga da delegacia, as duas meninas contaram com detalhes como ocorria o estupro. Ele passava açúcar no órgão genital dele e obrigava as duas meninas a fazerem sexo oral.

Após isso, o açúcar era passado em partes íntimas das meninas e então ele é quem fazia sexo oral nelas.

À psicóloga, a menina de 12 anos contou que o padrasto a estuprava desde que ela tinha 6 anos de idade e, que na época, revelou à mãe o que estava ocorrendo.

Ainda segundo a menina, a mulher tentou saber do marido se a história era verdadeira, mas foi agredida por ele.

A mulher, no entanto, negou ao delegado que sabia dos abusos, mas que apenas desconfiava dos abusos.

O acusado foi preso na casa do pai, pois desde o último dia 25 está separado da mulher.

Ele foi autuado pelo crime de estupro de vulnerável e encaminhado à DPCA, onde permanece preso até ser encaminhado para uma penitenciária da Capital.

Comentários

comentários