Austrália fica com ouro na vela paralímpica, Brasil termina em 11º

O primeiro pódio da vela paralímpica foi definido hoje (17) na Baía de Guanabara. A equipe da Austrália ficou com a medalha de ouro na categoria Sonar. O Brasil encerrou sua participação na 11ª colocação.

A equipe dos Estados Unidos, que venceu a regata da medalha nesta manhã, ficou com a prata na classificação final. O Canadá completou o pódio com o bronze.

Os brasileiros Marcos Antonio do Carmo, José Matias Gonçalves Abreu e Herivelton Ferreira Anastácio chegaram a cruzar a segunda parcial da regata final, nesta manhã, em terceiro lugar, mas não conseguiram manter o ritmo e terminaram a prova em 11º, mesma posição em que ficaram na classificação final.

Na vela paralímpica, assim como na vela olímpica, são disputadas dez regatas e mais uma regata final, que vale o dobro de pontuação, para a definição da medalha.

Os barcos a vela guiados por atletas com deficiências físico-motoras e visuais devem completar o percurso determinado pelas boias em menos tempo que os adversários.

Os atletas são divididos em classificações de 1 a 7, conforme a capacidade funcional – quanto menor o número associado, maior é o grau de limitação. Na classe Sonar, o somatório dos três tripulantes, que podem ser homens ou mulheres, não pode passar de 14 pontos.

A vela estreou na Paralimpíada em Sydney, no ano 2000.

Agência Brasil

Comentários

comentários