Astro dos esportes radicais morre durante salto em abismo

Um astro internacional dos esportes radicais morreu durante uma aventura, neste fim de semana, nos Estados Unidos. Três dias antes, o americano Dean Potter tinha sido entrevistado pelo repórter César Augusto.

O último desafio da vida de Dean Potter foi no sábado(16) à tarde. Um salto de um penhasco, à beira de um cânion, a mais de 2.300 metros de altura, dentro do Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia. Potter saltou de wingsuit, uma espécie de macacão com asas, ao lado do amigo Graham Hunt, de 29 anos.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Como os dois não respondiam aos chamados de rádio, uma equipe de helicóptero do parque foi acionada para localizá-los. Os dois corpos foram encontrados no domingo (17) e, segundo a imprensa americana e agências de notícias, nenhum dos dois paraquedas foi acionado na queda. O caso está sendo investigado.

“A linha de voo que ele ia fazer é um salto onde você salta no meio de um vale e você tem que fazer uma curva para a esquerda imediatamente. Provavelmente, ele não conseguiu fazer a curva, a curva era mais acentuada do que ele achava e ele não conseguiu completar a curva e bateu na pedra tentando fazer a curva”, explica Luigi Cani, paraquedista.

Três dias antes do acidente, César Augusto gravou uma reportagem para o Esporte Espetacular com ele. Dean Potter preparou um piquenique para a equipe de reportagem, e contou um pouco sobre a vida e os planos que tinha para ela.

Aos 43 anos, Dean Potter estava feliz. Namorando, construindo uma casa, pensando em fazer um novo filme. O último documentário que ele produziu foi sobre si mesmo e a melhor amiga, a Whisper, uma cadela da raça “boiadeiro australiano”, praticando base jump.

Eles saltavam de paraquedas das pedras. Saltavam juntos. Faziam isso quase todos os dias no Yosemite Park, na Califórnia.

Potter morava lá há 20 anos. É proibido praticar o base jump no parque, mas ele saltava e todo mundo sabia disso. Ele era um atleta radical conhecido e respeitado. Além do base jump, praticava slack line, escalada. Começou a escalar aos 13 anos.

A profissão dele era desafiar o perigo. Dean Potter conhecia todos os cantos do parque. Ele e a cadela Whisper andavam muito por lá. É impressionante a maneira com que os dois lidavam com a altura. Eles não tinham medo nenhum.

Potter falou sobre a paixão dele pelos saltos e a alegria de poder saltar com a melhor amiga. Disse que nunca ia até o limite em um salto. Ia no máximo até 80%. Deixava 20 para o caso de alguma emergência.

“Eu nunca imaginei que ele ia morrer saltando de wingsuit, porque ele é considerado um atleta cauteloso”, diz Cani.

Três dias antes de morrer, ele e a Whisper caminharam até o ponto de onde Dean Potter saltaria pela última vez, a 2.300 metros de altura. Whisper não saltou com ele no dia do acidente.

G1

Comentários

comentários