Assembleia do Rio decide soltar Picciani e mais dois deputados do PMDB

ESTADÃO/JN

Prisão do presidente da Alerj, de Paulo Melo e de Albertassi havia sido determinada na quinte-feira pelo TRF2

O plenário da Alerj decidiu, por 39 votos, soltar o presidente da Casa, Jorge Picciani, do ex-presidente Paulo Melo e do presidente da CCJ, Edson Albertassi, todos do PMDB, presos desde quinta-feira.

A decisão da maioria dos deputados segue o relatório da CCJ que pede a revogação da prisão. Foram 4 votos a 2 na comissão. O filho de Picciani, Rafael Picciani (PMDB), se absteve. Deputados agora aguardam início da votação do parecer no plenário. Do lado de fora, manifestantes protestam contra a provável decisão da maioria pela soltura. Acesso do público às galerias foi vetado pela Alerj.

O trio do PMDB teve prisão decretada ontem por decisão unânime do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). Eles são alvos da Operação Cadeia Velha, que desarticula um suposto esquema de corrupção entre políticos e empresários do transporte público no Rio. A investigação aponta que o pagamento de propinas começou na década de 1990.

Os presos passaram a noite na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, onde o ex-governador Sérgio Cabral completa hoje um ano preso. Desde o início do dia, protestos ‘comemoram’ o aniversário de Cabral na cadeia e pressionam a Alerj a manter Picciani, Melo e Albertassi presos.

Comentários

comentários