Área desmatada ilegalmente no Pantanal em 2 anos chegou a 65.054 hectares

Da Redação/JN

Entre 2013 e 2015, a bacia hidrográfica do Paraguai,onde está localizado o Pantanal, em Mato Grosso do Sul, teve 84,092 mil hectares desmatados. Desse total, 65,054 mil hectares de forma ilegal, o que representou 77,4% do total. Os dados são do programa de Detecção de Desmatamento Ilegal de Vegetação Nativa (DNA Ambiental), do Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MP-MS), que foram divulgados nesta sexta-feira (17), em Campo Grande.

Procurador-geral de Justiça de Mato Grosso do Sul, Paulo Passos, ao centro apresenta dados sobre desmatamento nas bacias do Paraguai e do Paraná, em evento em Campo Grande nesta sexta-feira (17) (Foto: Cláudia Gaigher/TV Morena)

Segundo o MP, a área desmatada na região foi mapeada com o uso de imagens de satélite e visitas a campo por meio da operação “Cervo do Pantanal”, que abrangeu uma área de 33 municípios do estado.

O procurador-geral de Justiça de Mato Grosso do Sul, Paulo Passos, destacou a importância da ação conjunta do MP-MS com órgãos que atuam no segmento, como a Polícia Militar Ambiental (PMA), Instituto de Meio Ambiente do estado (Imasul) e Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em ações como a “Cervo do Pantanal”.

“O maior avanço nesta integração é a possibilidade de compartilhamento de informações, que existem nos diversos órgãos, para que possamos tomar decisões mais rápidas e evitar o retrabalho. Desse modo podemos dar uma resposta célere aos anseios da sociedade sul-mato-grossense”, explicou.

Em outra operação, também realizada entre 2013 e 2015, mas voltada a bacia hidrográfica do Paraná, a “Cachorro Vinagre”, o MP-MS constatou o desmatamento de 4,949 mil hectares ilegalmente, dos quais 1,419 mil hectares eram de vegetação da Mata Atlântica.

Conforme o MP-MS, a operação resultou na elaboração de 143 pareceres técnicos e na aplicação de 75 autos de infração, sendo 18 da PMA (R$ 484,9mil em multas aplicadas), 45 do Imasul (R$ 6,512 milhões) e 12 do Ibama (R$ 2,121 milhões), resultando em um total de R$ 9,119 milhões em multas e 110 inquéritos civis instaurados, para que o dano ambiental causado seja reparado e os culpados responsabilizados.

Comentários

comentários