Após segundo caso de fuga, Sinpol quer interdição da Delegacia de Água Clara

O Sinpol-MS protocolou ontem um ofício solicitando ao juiz da Comarca a interdição das celas da Delegacia de Polícia do município de Água Clara, diante da falta de estrutura do prédio. No último domingo (26), quatros presos agrediram o policial civil que estava de plantão sozinho na unidade e fugiram em seguida.

Sinpol quer interdição de cadeia (Foto: Divulgação )
Sinpol quer interdição de cadeia (Foto: Divulgação )

Conforme o diretor jurídico do Sinpol-MS, Giancarlo Miranda, este já é o segundo caso de fuga neste ano. “Em fevereiro, seis detentos fugiram da mesma unidade após serrarem o cadeado da cela que também contava com a vigilância de apenas um policial civil plantonista. O local sofre com a falta de efetivo e de infraestrutura”, afirmou Miranda.

De acordo com a legislação, a delegacia de polícia deve somente custodiar o preso durante o período de flagrante, sendo após esse período transferido para a Cadeia Pública para aguardar julgamento e, posteriormente, encaminhado para o presídio para cumprimento da sentença.

“A permanência de presos nas delegacias obriga os policiais civis a desempenhar a função de carcereiro ao invés de estarem nas ruas investigando e solucionando crimes”, explicou Miranda.

Para Miranda, este segundo caso é um alerta para que providências sejam tomadas imediatamente.

“O investigador ficou com alguns ferimentos, pois foi agredido com uma barra de ferro e graças ao seu treinamento e expertise não foi o terceiro caso deste ano de policial civil morto em combate. Esperamos que as autoridades competentes não esperem uma tragédia acontecer para resolver o problema da custódia de presos nas delegacias de todo Mato Grosso do Sul”, concluiu Miranda.

Comentários

comentários