Aplicativo iPanelaço leva protesto com panelas para smartphones

Após o panelaço que ocorreu em 18 estados mais o Distrito Federal durante o programa partidário apresentado pelo Partido dos Trabalhadores na TV na noite desta terça-feira (6), um aplicativo que leva o som de panelas para os smartphones registrou um boom de downloads. O sucesso do “iPanelaço”, disponível por ora para iPhones, fez seu criador começar a trabalhar em uma versão para Android.

Foto Ilustrativa
Foto Ilustrativa

Marcelo Jereissati Hage Nicolau, de 43 anos, é diretor da agência de publicidade e propaganda Casa de Ideias, de São Luís, no Maranhão. Ele conta que o app foi criado em março, logo após manifestações contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) levar mais de 2 milhões de pessoas às ruas.

A ideia surgiu após conversas com amigos, diz. “Somos contra essa turma que está aí, a forma como a política está rolando e tal”, conta. A escolha por um aplicativo ocorreu por ser uma forma “elegante” de participar das manifestações. “Foi uma maneira mais icônica de darmos uma contribuição para o protesto”, afirmou ao G1. “Queríamos achar uma maneira mais elegante de fazer um protesto. Elegante no sentido de não ter bagunça, ter briga.”

Segundo ele, no início, o aplicativo não chamou muita atenção, o que só ocorreu após o último programa do PT na TV, em que o presidente da legenda, Rui Falcão, afirmou que qualquer petista culpado de irregularidades será expulso do partido. O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva também apareceu no vídeo.

Até então, o app havia sido baixado apenas algumas centenas de vezes. Durante o pronunciamento chegou a 1,5 mil vezes. Na tarde desta quarta-feira (6), porém, já contava 25 mil downloads. Simples, o app permite escolher entre seis tipos de panela.

A falta de adesão de usuários fez com que os criadores nem pensassem em levar o aplicativo para outras plataformas (Veja aqui). Mas, segundo Nicolau, os planos mudaram e uma versão para Android estará pronta dentro de 20 dias.

Apesar de admitir que sua mãe é prima do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), Nicolau diz não ser vinculado a nenhum partido. “A gente é só brasileiro”, afirma.

Comentários

comentários