Ao oficializar troca de partido, Ayache diz que é “precoce” falar em candidatura

Apesar de ser o motivo da migração do médico Ricardo Ayache do PT para o PSB, a candidatura à prefeitura de Campo Grande foi tratada com tom cautela tanto pelo novo filiado quanto pela liderança nacional do Partido Socialista Brasileiro.

19celebrar

 

“O momento é de discutir projetos, sendo precoce apontar nomes para a disputa”, disse Ayache, no ato de de sua filiação ao PSB, na manhã deste sábado (19), em Campo Grande.

Após disputar o Senado pelo PT em 2014, o presidente da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores de MS) deixou após 14 anos a legenda de olho na disputa das eleições municipais de 2016.

Ayache disse que não tem como dizer se será o candidato. “Vim para o PSB para trabalhar muito, para debater e criar projetos, atender a necessidade da população. O PSB tem tudo para construir um novo Brasil, uma nova Campo Grande”, reafirmou.

Na visão de Ayache, o eleitorado tem demonstrado que “quer o novo, alguém com experiência em gestão, sem comprometimento em escândalos, com capacidade de compor e dialogar”.

O deputado estadual José Carlos Barbosinha também aprovou a filiação do médico Ricardo Ayache e ressaltou que ele é um nome que preenche requisitos fundamentais para compor a base pessebista no MS. “Estamos felizes, celebrando a vinda do Ayache para o nosso partido. Ele enriquece e abre novas e grandes perspectivas para a sigla e também para a Prefeitura de Campo Grande. Contribui com o fortalecimento do PSB no Estado e em âmbito nacional”, comemorou Barbosinha.

Comentários

comentários