Agressor bateu cabeça de criança no chão e a arremessou nos pés da mãe

Elaine Cabreira, a menina de apenas dois anos de idade morta domingo à noite, antes foi agredida brutalmente pelo assassino, Odilo Antônio Wagner, que a pegou pelos pés e bateu duas vezes com a cabeça dela no chão. Odilo, ainda a arremessou em direção aos pés da mãe da criança que bateu com a cabeça na parede.

Odilo Antônio Wagner tentou fugir, mas foi preso horas depois por policiais militares  Foto: Marcos Tomé/Região News
Odilo Antônio Wagner tentou fugir, mas foi preso horas depois por policiais militares
Foto: Marcos Tomé/Região News

A partir do depoimento da mãe, Elcida Ferreira Ribeiro, 35 anos, que há dois meses namorava o assassino, o delegado Carlos Eduardo Trevelin Millan, levantou os detalhes macabros desta tragédia registrada no Assentamento Santa Lúcia, zona rural de Sidrolândia.

Elcida relatou que domingo à noite estava na sala com o namorado e outro filho, de 8 anos, assistindo TV, enquanto a pequena Elaine dormia no quarto. Por volta das 20h, Odilo se levantou e disse que dormiria porque estava muito cansado. Cerca de meia hora depois ela ouviu o barulho de uma pancada, como se algo tivesse caído no chão. Foi ao quarto e encontrou a menina sendo segurada pelas pernas e Odilo batendo a cabeça dela contra o chão. Na sequência, o agressor arremessou a menina em direção aos pés dela, que, em estado de choque, assistia a filha ser agredida da porta.

Imediatamente, Elcida socorreu a filha que chegou morta ao hospital. Ela namorava há dois meses Odilo que a visitava aos finais de semana porque trabalhava como montador em Maracaju. Esta teria sido a segunda vez que ele pernoitava na casa.

O delegado está prestes a concluir o inquérito. Pediu à Justiça a prisão preventiva de Odilo e sua transferência para Campo Grande já que a delegacia não tem estrutura mantê-lo em segurança. Para preservar sua integridade física da fúria dos outros 31 presos recolhidos nas celas da delegacia, ele está sozinho num “corró”, cela onde normalmente permanecem os menores apreendidos. Enquadrado por homicídio qualificado, praticado por motivo fútil, pode ser condenado até 30 anos de prisão.

PRISÃO

Odilo tentou fugir, mas foi preso horas depois por policiais militares em rondas pela cidade. No seu depoimento ele confessou ter agredido a menina, mas não soube explicar o que o motivou a cometer o crime. “Disse que acordou assustado e partiu para cima dela”, revelou o delegado.

Com Informações Região News

Comentários

comentários