Aeroportos intensificam medidas para reduzir consumo de energia e água

Sistema de balizamento com lâmpadas LED (Foto: Infraero)
Sistema de balizamento com lâmpadas LED
(Foto: Infraero)

Substituição de lâmpadas fluorescentes por LED, utilização de poço artesiano, monitoramento de ar condicionado e ajustes no sistema regulador de corrente de energia são algumas das medidas executadas em aeroportos da Rede Infraero, na Região Sudeste, com reflexos significativos na redução do consumo de energia elétrica e água.

O aeroporto de Montes Claros (MG), por exemplo, já contabiliza uma redução de 23,8% no consumo de energia elétrica e de 62% de água no primeiro trimestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2015. Foram substituídas 96 lâmpadas fluorescentes por 54 LED no saguão de embarque, na sala de desembarque, na fachada principal do terminal, além de duas torres do pátio. Já estão previstas trocas em outras áreas, como salas de operações e de embarque, outra torre do pátio, sala de navegação aérea e o estacionamento privativo.

A reativação de um poço artesiano garantiu uma redução expressiva de 62% no consumo e de 58% na conta de água. O superintendente do aeroporto de Montes Claros, Aguinaldo Gomes de Souza, explica que foi feita uma readequação do poço, o que garantiu a autorização, pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, seu funcionamento.

A água do poço é utilizada para a manutenção de áreas verdes, limpeza em geral e lavagem de carros, gerando uma economia superior a R$ 14 mil. “São medidas relativamente simples que não apenas resultam na economia com gastos, mas na disseminação do conceito de consumo consciente”, afirma. A meta para 2016 é reduzir em 30% o valor da conta de energia elétrica, percentual hoje em 17%.

Preservação

A troca de mais de cem lâmpadas fluorescentes por LED no aeroporto Carlos Prates, em Belo Horizonte (MG), também gerou resultados positivos. Somente no primeiro bimestre deste ano, a economia chegou a 11,33% no consumo de energia elétrica (KWh) na comparação com os dois primeiros meses do ano passado. O superintendente Michael Nolêto Crestani observa que a lâmpada LED, além de ser mais econômica, tem maior durabilidade e é produzida com base em materiais atóxicos, contribuindo para preservação ambiental.

No caso do aeroporto da Pampulha, também na capital mineira, já foi contabilizada uma redução de 40% da carga instalada dos sistemas de iluminação. Luminárias com tecnologia LED foram instaladas em todo o balizamento das taxiways, nas salas de embarque e de desembarque.

Áreas administrativas também foram contempladas com essa tecnologia, que proporciona redução do índice de manutenção do sistema elétrico. O trabalho de substituição, iniciado no final de 2014, continuará nos próximos meses, em áreas ainda não atendidas pelas luminárias LED, como o terminal de passageiros.

Localizado no Triângulo Mineiro, o aeroporto de Uberlândia também está empenhado em trabalhar pela redução desses dois componentes. Foi instalado sistema automatizado de controle dos aparelhos de ar condicionado para funcionamento de acordo com o horário de maior número de passageiros. Também foi criada comissão para estudar alternativas de reutilização de água da chuva para os sanitários do terminal de passageiros e utilização de aquecedor solar na Seção de Combate a Incêndio (SCI).

Portal Brasil, com informações da Infraero.

Comentários

comentários