Advogado de Giroto considera que ‘a investigação é frágil’

O advogado Valeriano Fontoura, da defesa do ex-secretário estadual de Obras, Edson Giroto, e da ex-presidente da Agesul, Maria Wilma Casanova, colocou em xeque as provas apresentadas nos autos que supostamente incriminam os seus clientes e criticou o atual secretário Estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, responsável pela denúncia de fraude que ocasionou a prisão de 10 pessoas na semana passada.

Giroto chega para depor na sede do MPE Foto Paulo Francis
Giroto chega para depor na sede do MPE Foto Paulo Francis

“A investigação é frágil”, classificou, considerando-se que o caso surgiu a partir de auditoria realizada pela Secretaria Estadual de Infraetrutura. Os desvios em três rodovias estaduais (228, 171 e 184) somariam R$ 11,8 milhões. “A medição Foi feita por um fiscal em cima da caminhonete”, cutucou. “A secretaria alega que houve vistoria em 100 km de rodovias com duas laudas, apresentando supostas irregularidades, fato que não é possível demonstrar”, questionou.

O MPE ouve, na tarde de hoje, todos os envolvidos no suposto desvio de R$ 2,6 milhões da MS-171. 

Além de Giroto e Maria Wilma , o empresário João Amorim, proprietário da Proteco Engenharia, Maxwell Thomé Gomez, Rômulo Tadeu Menossi, Wilson Cabral Tavares e Wilson Roberto Mariano de Oliveira.,, Elza Araújo, secretária de Amorim são investigados na Operação Lama Asfáltica.

Comentários

comentários