Adolescente confessa estupro, mas diz que só queria ajudar a criança

Um adolescente de 17 anos foi apreendido na tarde de ontem (20), no bairro Izabel Garden, pelo estupro de uma criança no mesmo bairro, ocorrido no dia 12 de setembro. A polícia chegou até o adolescente após investigações e imagens de câmeras de segurança das ruas que a vítima passou.

De acordo com o delegado Paulo Sérgio Lauretto, titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), o adolescente foi apreendido em uma casa abandonada. “Recebemos uma denúncia informando onde o menor estava. Fomos até o local e ele estava dormindo. Ao ser abordado, ele confessou que havia estuprado a criança e demonstrou arrependimento”, relatou.

Delegado contou como o crime aconteceu. Foto: Kerolyn Araújo
Delegado contou como o crime aconteceu. Foto: Kerolyn Araújo

Ainda segundo informações da polícia, por volta das 6h do dia 12 de setembro, ele estava voltando de uma festa no bairro Nova Lima, quando encontrou a criança chorando na rua. Ele perguntou o que ela estava fazendo sozinha na via, e vítima teria dito que estava procurando sua mãe. “O adolescente contou que, a princípio, a intenção era ajudar a menina a encontrar seus familiares, mas em determinado momento, por motivos que não soube explicar, sentiu desejo pela criança e a levou para um terreno baldio, onde cometeu o ato”, contou o delegado.

O adolescente contou que havia ingerido bebida alcoólica e feito o uso de drogas, o que teria sido a causa de ter estuprado a criança. Após o crime, ele foi para sua casa, há algumas quadras da casa da vítima. Ele também disse à polícia que não sabia que o caso estava sendo investigado.

O menor, que foi apreendido e encaminhado à Unidade Educacional de Internação (Unei) Dom Bosco, não tinha passagens pela polícia, porém sempre apresentou um comportamento difícil. “A mãe dele já havia registrado boletins de ocorrência por abandono do lar. Ele costumava sair de casa e só voltar dias depois”, contou Lauretto.

A criança ficou internada por três dias na Santa Casa de Campo Grande e já está com a família. O adolescente permanecerá apreendido, podendo ficar na Unei por no máximo três anos, conforme prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (Eca).

Kerolyn Araújo

Comentários

comentários