Acampamento Sinpol-MS na governadoria perde mobilização após uma semana

Lúcio Borges

O Sinpol-MS (Sindicato dos Policiais Civis de MS) está desde o último dia 2, em mobilizações para reivindicar aumento salarial para categoria, como a todos servidores públicos do estado, que não devem ter o reajuste em 2017, como vem ocorrendo há dois anos. O sindicato já fez paralisação de alerta, protesto na frente do prédio da governadoria de Mato Grosso do Sul, que foi intensificado no dia 5, com um acampamento na sede do governo, como o Página Brazil noticiou, mostrando ainda que naquele dia recebeu a adesão dos agentes militares – entre policiais e bombeiros militar-. Contudo, o frio, feriados e até mesmo o cansaço, começa a esvaziar o movimento dos policiais civis, que sem ou perdendo a força, no acampamento, se vê mais faixas do que manifestantes.

O presidente do Sinpol, Giancarlo Miranda, há 15 dias reuniu a categoria e até fez conclamação pelas redes sociais, para mobilizar as ações, que no começo foi atendida. “Nós abrimos inscrições para um acampamento porque na assembleia de sexta-feira se dispuseram a ficar acampados em frente a governadoria pra mostrar a nossa indignação. Pode ser já amanhã ou na quarta-feira, sem data para se encerrar, somente com o cumprimento da palavra do governo”, dizia.

Com isso, o Sinpol deve reforçar ou não chegará até ‘palavra final’ do Executivo, que até na semana passada, fez uma primeira reunião, conduzida por deputados da base aliada, para mexer em algo do anunciado “reajuste zero”. A reunião não fez nenhuma diferença até o momento. Contudo, o governo anunciou na quinta-feira (8), em contra ponto, não aumento de salários, mas no efetivo, convocando concurso, há anos pleiteado pela categoria.

Mas, como noticiamos sábado (10), o Sinpol informou que entrou com uma ação judicial para suspender o edital do concurso público para delegados e agentes de polícia, por discordar da forma como o documento foi elaborado. Veja na matéria anterior, que o Sindicato questiona não o certame em si, que eles mesmo pleiteavam, mas a lisura ou forma como foi feita edital.

Reforçar ações

Giancarlo, já dizia no último dia 5, de inicio do acampamento, e, ratifica que o convite para voltar a pressionar e aumentar acampamento/ ações, deve ser estendido a outras categorias, em repúdio ao ainda em andamento e já declarado ‘reajuste zero’ aos servidores, ‘oferecido’ pela administração estadual. “No começo da semana passa, com carro de som, nariz de palhaço e apitos os homens da Segurança do Estado, fizeram barulho e prometeram mobilização. Vamos continuar e buscar novos apoios, até porque o pleito nem foi estudado”, disse o presidente do Sinpol.

Comentários

comentários