Professores aceitam reajuste de 3,31%, mas devem buscar integralização do piso em 2017

Termo de acordo foi formalizado na tarde desta quarta-feira(11). (Foto: Paulo Francis)
Termo de acordo foi formalizado na tarde desta quarta-feira(11). (Foto: Paulo Francis)

Os professores da Reme (Rede Municipal de Ensino), aceitaram o termo de reajuste de 3,31% proposto pela prefeitura de Campo Grande, e com isso chega ao fim a paralisação parcial, que atingiu 30% das escolas da Capital. A previsão é de que aconteça uma assembléia da categoria na sexta-feira (13), e as aulas retornem na próxima segunda-feira (16).

O termo de acordo administrativo foi assinado na tarde desta terça-feira (11), entre a Prefeitura Municipal de Capo Grande e os profissionais da educação pública ligados as ACP(Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), no gabinete do prefeito Alcides Bernal.

De acordo com Bernal, por conta da restrição que o período eleitoral impõe não é mais possível fazer o reajuste em 9,57%, oferecido anteriormente, mas reitera que este acordo demonstra que não há uma dificuldade de dialogo entre a categoria e atual gestão.

“Nós chegamos a um acordo, acolhendo a reivindicação da ACP, para que os nossos alunos possam suas aulas normalizadas. O projeto de lei que está na Câmara Municipal prevê 2,79% de reajuste, mas agora nos estamos enviando  um projeto que aumenta para 3,31%, que considera a inflação do mês de abril, e com isso estabelece que nos estamos respeitando a legislação vigente, pagando 82% do piso nacional” explica o prefeito.

O prefeito destaca que por ser linear, reajuste será repassado para todos os servidores dos mais diversos setores, principalmente aqueles que ganham menos.

O presidente da ACP, Lucilio Nobre, frisa que a categoria busca a integralização do piso em 100%, porem o reajuste já atende as solicitações dos professores e o mais importante é que está vinculado a lei 5.411.

“Não é o que a categoria queria, esperávamos ainda nesse mandato a integralização do piso que chegasse a 100%, mas infelizmente vai ficar uma parte que depois nós vamos nos mobilizar para cobrar nosso direito”, alega.

Lucilio ainda aproveitou a oportunidade para entregar ao prefeito Alcides Bernal um oficio com novas reivindicações dos professores.

“Entregamos o oficio 101 ao prefeito, pedindo para que ele pague as promoções dos professores que esta suspensa desde 2014 de forma retroativa. Outra questão é relativa à eleição para diretores, uma proposta que esta no plano municipal de educação e que inclusive já tem um projeto de lei na prefeitura. São solicitações que contemplem toda a categoria do magistério”, finaliza.

Paulo Francis

Comentários

comentários