Solurb deixa de recolher lixo hospitalar a partir de hoje

Em pé de guerra com a Prefeitura de Campo Grande desde o mês de agosto, a Solurb Soluções Ambientais, deixará de recolher lixo hospitalar a partir desta quarta-feira (21). Desde a última sexta-feira (16), a coleta domiciliar está interrompida, deixando pra trás diariamente 800 toneladas de lixo.

De acordo com a Solurb, o lixo hospitalar não será mais recolhido por falta de combustível que deveria ser bancado pela prefeitura, conforme previsto em contrato. Ainda segundo a concessionária, a dívida da prefeitura de Campo Grande com a empresa já ultrapassa os R$ 25 milhões.

Lixo hospitalar não será mais recolhido por falta de combustível. Foto: Paulo Francis
Lixo hospitalar não será mais recolhido por falta de combustível. Foto: Paulo Francis

Nesta terça-feira (20), a concessionária informou, por meio de nota oficial, que para que os serviços sejam retomados, a dívida ou parte dela deverá ser paga.

Confira na íntegra a nota:

A CG Solurb Soluções Ambientais SPE Ltda., informa que a coleta de lixo domiciliar está totalmente suspensa no município, devido a interrupção por parte dos fornecedores (por falta de pagamento), dos insumos e serviços necessários ao bom funcionamento da operação. Até a data de hoje (20/10/15), a coleta de lixo hospitalar vem sendo executada normalmente, porém a partir de amanhã deverá ser suspensa também, assim como todos os demais serviços prestados pela concessionária.

Para que a concessionária retome os serviços é necessário que a PMCG coloque em dia os pagamentos em atraso, que já somam mais de R$ 25 milhões, ou pelo menos parte deles. A segunda alternativa, para a retomada dos serviços, é a liberação por parte do poder judiciário, dos valores que estão sendo bloqueados da PMCG, dos repasses exclusivos de ICMS e FPM. Esses bloqueios que começaram no início do mês por determinação judicial, já somam aproximadamente R$ 4 milhões e estão em uma conta específica para depósitos judiciais, mas ainda não foi liberado para Solurb.

Com a suspensão dos serviços de coleta de lixo domiciliar, deixam de ser coletadas diariamente, cerca de 800 toneladas de lixo domiciliar e comercial.

Com relação a informação ecoada pela imprensa, de que uma empresa que beneficiaria a reeleição do atual gestor, estaria sendo contratada para assumir os serviços de coleta de lixo, não fomos notificados e entendemos que o contrato de concessão, prevalece a qualquer outro interesse que não seja ao de prestar os serviços com qualidade. Entendemos também, que uma medida como essa, contrariaria a LDO do município.

Comentários

comentários