19-08 – CERTEZA ABSOLUTA É COISA DE IDIOTA.

Pedro

Pedro Mattar

É muito dificil apagar as referência que você acumula na vida. Chega alguém pra você e diz que, no  mercadão xis ele comeu o melhor pastel do mundo. Pode ser.  Pode ser que aquele pastel seja o máximo, mas depende de quantas pastelarias o cara conheceu na vida. Se ele nunca saiu da cidade, o limite do julgamento dele serve só pra cidade onde ele vive. E a opinião também, serve só pra delimitar o gosto dele. Se ele não comeu o pastel de feira em São Paulo, se ele não experimentou a empanada em Buenos Aires, se ele jamais provou o pastel do Mercadão em sampa, o pastel de bacalhau em Lisboa ou Hong Kong, se ele jamais provou o pastel de camarão do mercado na Barra da Tijuca, o pastel de morango em Estrasburgo e os pastéis do resto do mundo, o cara tem mais é que ficar quietinho antes de fazer afirmações definitivas.

O mesmo acontece com os que dizem: a mulher brasileira é a mais bonita do mundo. Ai, você vai pesquisar e descobre que ele nunca saiu do Brasil. Ele que vá se fuder com a opinião dele. É claro que o nosso país tá lotado de gatas maravilhosas. Mas, porra, se a opinião é a de um cara que nunca foi na Dinamarca, na Suecia, na Africa, Ucrania ou na Hungria, só pra exemplificar, então o sujeito tá falando merda. Se ele ficar parado na Av. Saint Germain des Prés, em París. sentadinho ao lado de uma mesinha no Deux Magots, tomando chocolate quente, vai queimar a boca de ver passar tanta francesinha gostosa. E vai voltar pra terrinha dizendo: aqui tem muita muié bonita, mas lá fora tem também.

Ai chegam e perguntam pra você: o que você acha do Brasil?  Você pega como referência os países que você já visitou, as pessoas com que você já conversou, aqui e lá fora, soma as virtudes e os defeitos que conheceu pessoalmente e, só depois, irá fechar uma conclusão mais ou menos ponderada. Eu disse mais ou menos. Um cara que defende o comunismo como regime pode até estar inspirado na justiça social, todos iguais nos direitos e nas responsabilidades, nada de fome. Quando você se aprofunda na convicção dele, descobre que ele nunca esteve em países sob esse regime, ele nunca conversou com alguém desses paises, não sabe como funciona a competitividade e a produtividade num país só de funcionários públicos. Isso descredibiliza qualquer opinião.

E a maioria dos que defendem a democracia também não sabe o que é democracia na essência: não sabe votar, não sabe direito os seus direitos, não se aprofunda no conhecimento politico e mergulha fundo na alienação. Ele só conhece a democracia pelo fato de ninguém lhe cobrar porrra nenhuma, só de ouvir falar, mas sabe que ela nem sempre funciona. Jamais visitou um pais onde a democracia é prática e conviveu lá algum tempo pra comparar. Jogar opinião da boca pra fora sem referência, é ignorância. Nenhuma opinião é sustentável, de forma concreta, se não houver uma base pra defendê-la. Passa a ser mera conversa, ideias jogadas ao acaso, jogo de cena e pra retórica.

Quando você convence alguém sobre questões sem fundamentos sólidos, é porque esse alguém é ainda mais desinformado que você. Só ganha discussão quem acumula mais referências, mesmo que elas não façam sentido. Sempre foi assim: o tempo desmente qualquer certeza que teime prevalecer acima da lógica.

Como disse James Bond, nada é para sempre, só os diamantes são eternos.  Cuide-se.

[email protected]

 

 

Comentários

comentários